Nov 24
Ao
Ilmo. Senhor
CELSO GONÇALVES DE FREITAS
DD. Presidente do SINGRAFCAMP
Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas de Campinas
Rua Barão de Paranapanema, Nº 146 – Bloco – B – 10º Andar – Sala 101
CAMPINAS – SP
CEP 13026-010
E-mail: singrafcamp@terra.com.br / celso@purarte.com.br / mellenio@purarte.com.br
 
Ref.: Nossa manifestação de repúdio a posição do SINGRAFCAMP de se negar a negociar a Renovação da Convenção Coletiva de Trabalho e propor a retirada de vários direitos e de condições pré-existentes da Convenção Coletiva de Trabalho vigente.
 
Prezado Senhor Presidente:
 
A FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA GRÁFICA, DA COMUNICAÇÃO GRÁFICA E DOS SERVIÇOS GRÁFICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO, por seu Presidente que abaixo subscreve, em nome das entidades Federadas, vem à presença de V. Sa. manifestar o nosso repúdio em relação a condição que está sendo apresentada pelo SINGRAFCAMP negando-se a discutir quaisquer reivindicações dos trabalhadores e em contra partida propõem a retirada de vários direitos dos trabalhadores gráficos e de condições pré-existentes negociadas a muitos anos com o STIG de Campinas.
Esta posição patronal não tem qualquer justificativa, tendo em vista ao cenário gráfico atual e os acordos firmados dentro do segmento gráfico pelo STIG do ABCDMR e Baixada Santista, pela Federação dos Gráficos, e pelo STIG de São José do Rio Preto, que consolidaram um processo de negociação renovando as suas Convenções Coletivas de Trabalho em patamares muito superiores ao que está sendo proposto, pois em nenhum caso houve qualquer redução de direitos e mesmo que não se tenha negociadas novas condições as Convenções Coletivas de Trabalhos vigentes foram renovadas sem alterações com a recomposição do período inflacionário acrescidos de Aumento Real em de 2,20%.
Há muitos anos acompanhamos o nosso filiado e as negociações que se desenrolam no STIG de Campinas, e em nenhum momento deparamos com uma posição patronal apresentada neste processo negocial de total intransigência e de desrespeito aos trabalhadores gráficos, pois são para os seus próprios empregados que estão sendo proposto o aviltamento de seus direitos.
Temos claro como profissional gráfico que dentro do processo produtivo o trabalhador gráfico é e sempre será a parte mais importante, e como tal deverá ser respeitado e valorizado, até porque trata-se de uma categoria altamente profissional e não tem qualquer sentido estar diante de propostas que reduzam os seus direitos produzindo e gerando a sua desvalorização profissional.
A Federação e seus 18 Sindicatos estão solidários aos trabalhadores gráficos de Campinas, e fará todos os esforços possíveis para impedir esta tentativa patronal de retirar direitos e de não estabelecer um processo de negociação dentro dos parâmetros que a muitos anos foram efetuados pela classe patronal e os trabalhadores gráficos.
Finalmente entendemos e propagamos que o processo negocial ainda é o melhor caminho para a solução das pendencias trabalhistas, e nesse sentido é que estamos na expectativa da retomada do processo negocial buscando a Renovação da Convenção Coletiva de Trabalho vigente, mas se a intransigência patronal continuar estaremos solidários e presentes juntos aos companheiros gráficos de Campinas e faremos todos os esforços no sentido de enfrentar esta posição patronal de total prejuízo aos trabalhadores gráficos.
 
Leonardo Del Roy
Presidente da FTIGESP  

written by FTIGESP

Nov 24
Solicitação de ajuda do STIG de Campinas diante da intransigência
Patronal em não querer firmar a Convenção Coletiva de Trabalho
2011/2012, e propor a retirada de vários direitos da Convenção Coletiva
vigente.
 
Prezados Companheiros:
 
A FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA GRÁFICA, DA COMUNICAÇÃO GRÁFICA E DOS SERVIÇOS GRÁFICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO, foi informada pelos companheiros do STIG de Campinas, que no dia 28 de Novembro de 2011 (segunda-feira), às 05:00 horas da manhã, estarão fazendo uma concentração na Sede do Sindicato, sita à Rua Boaventura do Amaral, nº 498, Centro (próximo ao Bosque), donde está programado paralisações nas empresas, tendo em vista a proposta patronal de não conceder reajuste acima da inflação e propor a retirada de vários direitos dos trabalhadores reduzindo consideravelmente a Convenção Coletiva de Trabalho.
Diante dessa posição de intransigência Patronal, conclamamos a todos os Sindicatos a unirem-se no sentido de impedir esta tentativa Patronal na busca de reduzir direitos dos trabalhadores.
Contamos com a participação de todos os Sindicatos Federados, Entidades Co-Irmãs e Centrais Sindicais, para impedir a ação Patronal de redução de direitos e exigir respeito a seus próprios trabalhadores, que são a parte mais importante do processo produtivo, e como tal tem que ser respeitada e valorizada.
Até a vitória dos trabalhadores.

written by FTIGESP

Nov 24
Sindcont-SP realiza curso sobre Certificação Digital, Conectividade Social e FGTS      
O Sindicato dos Contabilistas de São Paulo – Sindcont-SP promove o curso “Certificação Digital, Conectividade Social e FGTS”, no dia 26 de novembro, sábado, na sede da entidade, no centro de São Paulo. A capacitação se destina as empresas em geral, contabilistas, auditores, consultores, profissionais de recursos humanos, profissionais de departamento pessoal e demais interessados no tema e ligados à área. O objetivo é informar os principais aspectos da Conectividade Social - ICP relacionadas às obrigações dos empregadores em geral, conforme orientações dadas pela Caixa Econômica Federal, inclusive quanto à Circular nº 547/11. Entre os temas abordados serão discutidos o conceito de Conectividade Social – ICP, como obter e a emissão do Certificado Digital, além dos custos, validade e tipos. A Procuração Eletrônica também será abordada. A instrutora do curso será a advogada Valéria de Souza Telles. Ela é professora universitária em cursos preparatórios para concursos, empresariais e profissionalizantes, consultora e assessora jurídica nas áreas de Direito do Trabalho, Processual do Trabalho e Previdenciário. Além disso, foi consultora da IOB-Thompson por nove anos. Valéria é autora de livro e publicações e é pós-graduada pela Escola Paulista de Direito. As inscrições podem ser feitas pelo site www.sindcontsp.org.br, com o preenchimento do formulário. Informações e inscrições: 3224-5100 de segunda a sexta-feira, das 9h às 20h, ou pelo e-mail: cursos@sindcontsp.org.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. . Abigraf  
 
Brasil atinge hoje marca de R$ 1,3 trilhão de impostos pagos       
O Brasil atinge, por volta das 15h desta quarta-feira (23), a marca de R$ 1,3 trilhão de tributos federais, estaduais e municipais pagos só este ano, revelam dados do Impostômetro da ACSP (Associação Comercial de São Paulo). Somente nesta terça-feira (22), o Impostômetro bateu o recorde histórico de toda arrecadação do ano passado, que foi de R$ 1.291.150.079.258,70. O presidente da ACSP e da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato, afirma que o fato do impostômetro estar a cada ano batendo recordes na arrecadação de impostos não surpreende, já que esta situação vem ocorrendo todos os meses, desde o início do ano. Para ele, o problema é que o aumento da arrecadação, no entanto, não tem revertido em mais e melhores serviços. “O ano vai chegando ao fim e a arrecadação deve crescer 20% até o fim deste ano, em comparação com 2010, sem uma contrapartida na melhoria dos serviços públicos”, ressaltou. De acordo com a ACSP, com o crescimento da arrecadação em 2011, já é possível afirmar que o Impostômetro ultrapassará a marca de R$ 1,5 trilhão no último dia desse ano. O painel do Impostômetro foi inaugurado em 20 de abril de 2005 e está instalado no prédio da sede da ACSP. Também pela internet qualquer cidadão pode acompanhar o total de impostos pagos pelos brasileiros aos governos federal, estadual e municipal, de acordo com os estados e municípios. O sistema informa ainda o total de impostos pagos desde janeiro do ano 2000 e faz estimativas de quanto será pago até dezembro deste ano. UOL  
 
A revolução digital do jornal El País      
Nos últimos três anos o mercado publicitário espanhol caiu 33%, passando de 7,7 milhões de euros para 5,1 milhões de euros. A queda no mercado de jornais foi ainda maior: 44%, indo de 1,9 milhão de euros para 1,1 milhão no mesmo período. A circulação também não passou incólume pela crise econômica e acumula retração de 35%. Diante deste cenário pouco amistoso o jornal El País, fundado em 1976, precisou se reinventar. “Mudamos o foco e começamos a fazer coisas diferentes. Tivemos que fazer uma grande transição. Deixamos de ser um jornal de papel para ser uma empresa multimídia”, disse Víctor Arbáizar González, diretor de operações do título, durante o painel inicial do segundo dia do INMA Seminário Internacional de Jornais, que acontece em São Paulo. Para se adaptar à nova realidade do mercado, a empresa promoveu mudanças estruturais. Terceirizou sua área de sistemas, vendeu as operações de impressão e distribuição e passou a dividir com outros veículos do grupo (como os jornais As, de esporte, e CincoDias, de negócios) os departamentos financeiro e de RH. Com isso, o El País focou suas atenções no marketing e na redação. Lei matéria completa clicando aqui. Meio & Mensagem  
 
Próximo ano pede cautela com o crédito        
Diante de um cenário externo complexo em que as economias dos Estados Unidos e da Europa caminham para uma recessão, o Brasil deverá registrar baixo crescimento em 2012 e, em alguns momentos do próximo ano, as empresas poderão assistir à baixa liquidez no mercado de crédito. Nesse contexto, micro, pequenas e médias empresas devem ser bastante cautelosas e não devem se endividar. “O ano de 2012 deve ser reprise do que se viu em 2009, quando tivemos baixa expansão e podemos ver secura no mercado de crédito em alguns momentos", afirmou o economista Ricardo Amorim, sócio da Ricam Consultoria. A cautela, no entanto, poderá ser abandonada gradualmente, porque, em 2013 e 2014, a economia brasileira deve acelerar o ritmo, impulsionada pela realização da Copa do Mundo de Futebol e pelas eleições. "Se o pequeno empresário for cauteloso em 2012, poderá se aproveitar da bonança que virá nos próximos anos", analisou Amorim. Se o cenário de curto prazo traz receios, no médio e longo prazo as pequenas e médias empresas devem viver tempos auspiciosos. "Mesmo se o Brasil não resolver seus problemas, pode repetir o crescimento anual de 4,9% dos últimos oito anos ao longo dessa década. Nesse contexto, as pequenas e médias empresas deverão passar por um forte crescimento, podendo ter expansão superior às grandes companhias", disse. Para Amorim, o cenário de crédito no médio e longo prazo será mais abundante nessa década, com oferta de mais recursos e queda dos juros, o que destravará o principal problema das empresas: o financiamento. Isso ocorrerá porque o retorno financeiro do mercado brasileiro será bem superior ao de outros países, o que deverá trazer mais dinheiro para cá. Em paralelo, a ascensão social continuará ampliando o mercado consumidor, que ganhou mais de 50 milhões de pessoas nos últimos dez anos. Valor Econômico/Adaptado por RV&A  
 
Uso consciente do 13º beneficia trabalhador
Com o pagamento do 13º salário, chega para o consumidor brasileiro o momento de decidir entre o pagamento de dívidas, as compras de Natal ou a possibilidade de fazer algum investimento..  De acordo com a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), 60% dos brasileiros vão usar o 13º para saldar as dívidas, a maior parte delas provindas do cartão de crédito e do cheque especial, e isso represen ta um aumento de 5,26% em relação a 2010. Já a pesquisa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) em parceria com o grupo Ipsos aponta que a incerteza do brasileiro em relação ao que fazer com 13º é bem maior atualmente que no ano passado. Em 2011, 27,8% dos entrevistados disse que estava inseguro em relação ao que fazer com a primeira parcela do último salário do ano, que chega no dia 20 de novembro. Esse número representa quase 10% a mais que em 2010. “Administrar conscientemente e com confiança o dinheiro do 13º traz a vantagem de evitar gastos dispensáveis e permite aplicar as economias em alguma área que possa fazer o dinheiro render mais, como um negócio”, destaca Luiz Carlos do Nascimento, o diretor presidente da Sorocred, financeira especializada nas classes C, D e E. Para quem já tem a renda bastante apertada e empréstimos são essenciais para manter as contas em dia, saber onde realizar financiamentos é indispensável. E uma forte tendência revelada na pesquisa da ACSP/IPSOS é a utilização da primeira parcela do 13º para a compra de material de construção para realizar reformas em casa ou no próprio estabelecimento de trabalho: o número de entrevistados com essa intenção mais do que dobrou, de 2,3% em 2010, para 5,11% em 2011. “Percebemos essa demanda e a Sorocred lançou uma linha de financiamento especial para a compra de material de construção, sobretudo porque as classes C, D e E tem aumentado seus ganhos e querem reformar a casa para melhorar a qualidade de vida da família”, explica Nascimento. Quais são as outras maneiras das classes populares aplicarem o 13º? Quanto gastar e quanto economizar desse salário? Como administrar as despesas para evitar que esse dinheiro se transforme em uma dívida ainda maior? Fonte: Desibas On Line    
 
Jorge Caetano Fermino  

written by FTIGESP

Nov 23
Governo anuncia ao Congresso Nacional novo salário mínimo de R$ 622
O governo anunciou ao Congresso Nacional a elevação do valor do salário mínimo para R$ 622,73 a partir de 1º de janeiro de 2012. A previsão era R$ 619,21, com a revisão aumentou R$ 3,52. O reajuste consta da atualização dos parâmetros econômicos utilizados na proposta orçamentária de 2012. O anúncio foi enviado em ofício do Ministério do Planejamento.
O projeto orçamentário encaminhado ao Congresso, em agosto passado, foi feito com previsão do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 5,7%. Com a atualização que elevou a inflação para 6,3%, também haverá a elevação do reajuste do salário mínimo, que era 13,62% para 14,26% em relação ao atual valor que é R$ 545.
A política de recuperação do salário mínimo prevê reajuste com base na inflação de 2011 mais a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2010, que foi de 7,5%. Com a projeção de aumento do INPC haverá também aumento nos benefícios assistenciais e previdenciários para os que recebem acima de um salário mínimo. A previsão de reajuste para esses casos subiu de 5,7% para 6,3%. (Fonte: Agência Brasil)
 
PLP 8/03: Trabalho rejeita regulamentação de demissão sem justa causa
A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público rejeitou, no último dia 9, o Projeto de Lei Complementar (PLP) 8/03, do deputado licenciado Maurício Rands (PT-PE), que estabelece medidas de proteção ao trabalhador contra a demissão arbitrária ou sem justa causa. A proposta, que regulamenta o artigo 7º da Constituição, considera como despedida arbitrária ou sem justa causa aquela que não se fundar em justo motivo objetivo ou subjetivo.
O relator, deputado Silvio Costa (PTB-PE), defendeu a rejeição da proposta porque, segundo ele, "a tentativa de se aprovar uma lei para impedir a despedida arbitrária ou sem justa causa em nosso País pode trazer como consequência o efeito contrário ao pretendido, com uma drástica redução na contratação de mão de obra".
Segundo o relator, o Brasil é hoje um dos campeões mundiais em regulação do mercado de trabalho, e a medida pode comprometer ainda mais a competitividade das empresas e a atração de investimentos internacionais.
"A restrição das hipóteses de despedida do empregado onerará excessivamente os custos do setor produtivo, que já são por demais elevados", afirmou.
Motivação
O projeto define motivo objetivo como decorrente de necessidade do empregador em virtude de dificuldade econômica ou financeira, ou reestruturação produtiva.
Já justo motivo subjetivo é definido como aquele decorrente da indisciplina ou insuficiência de desempenho do empregado.
Conforme a proposta, a prova da ocorrência de qualquer uma das hipóteses será ônus processual e administrativo do empregador (inversão do ônus da prova).
O projeto permite que a despedida não fundada em justo motivo objetivo ou subjetivo seja declarada nula por decisão judicial com a consequente reintegração, facultando-se inclusive a tutela antecipada, ou, a critério do empregado, a conversão em indenização.
Tramitação
O projeto tem prioridade e foi rejeitado também pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio.
Agora será analisado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania e pelo plenário. Convenção 158
Não foi surpresa a rejeição deste projeto de lei pela Comissão por duas razões. A primeira é o fato de a Comissão ter um perfil mais afeito às posições patronais. Esta e outras decisões ao longo do ano confirmam esta assertiva.
A segunda é que no primeiro semestre, o colegiado já tinha rejeitado a Convenção 158, da OIT, sobre a demissão sem justa causa, por ampla maioria de votos. (Com Agência Câmara)
Leia mais:
Convenção 158 da OIT recebe parecer favorável na Comissão de Justiça
Deputados derrotam Convenção 158 da OIT na Comissão de Trabalho
 
TRABALHO I – Processo seletivo para Petrobras preencher 350 vagas abre inscrições dia 24/11: Vagas são para nível médio (274) e superior (76) e remuneração mínima inicial varia entre R$ 2.170,84 e R$ 6.217,19. Provas serão realizadas dia 22/01/2012. A Petrobras divulgou nesta quinta-feira (17/11) novo edital de processo seletivo público para preenchimento de 350 vagas, das quais 274 são para cargos de nível médio e 76 para nível superior. O edital está disponível no site www.cesgranrio.org.br e no site da companhia, www.petrobras.com.br.
 
TRABALHO II – As inscrições serão abertas em 24 de novembro e vão até 13 de dezembro, com taxas de inscrição de R$ 35,00 para cargos de nível médio e de R$ 50,00 para cargos de nível superior. As provas são objetivas e estão previstas para serem realizadas em 22 de janeiro de 2012.
A remuneração mínima inicial varia entre R$ 2.170,84 e R$ 6.217,19. A Petrobras também oferece uma série de benefícios, como previdência complementar, plano de saúde (médico, hospitalar, odontológico, psicológico e benefício farmácia) e benefícios educacionais para dependentes, entre outros. Fonte: Assessoria de Imprensa da Petrobras
 
Carreiras: veja 7 dicas para fazer uma autoanálise do seu trabalho
SÃO PAULO – É essencial fazer um trabalho bem feito para se destacar e progredir na carreira. Nesse caminho, os superiores são fundamentais para dar o famoso feedback, permitindo que o profissional ajuste alguns pontos da sua atuação. Porém, se a ideia é analisar seu trabalho, que tal praticar a autoavaliação?
Ouvir o que o chefe tem a dizer é indispensável na trajetória profissional, no entanto, é possível também ajustar alguns pontos por meio de uma análise própria. Com a ajuda de especialistas, a equipe InfoMoney elaborou algumas dicas para a realização de uma autoanálise eficiente:
1. Reflexão - de acordo com a master coach Marilia Targinao, o primeiro passo para uma autoavaliação é refletir. Nessa reflexão, deve-se tentar identificar os pontos fracos, os fortes, as oportunidades e as limitações ou ameaças do profissional. Outra orientação nesse processo de reflexão é observar os valores e a cultura da empresa. Só sabendo como a empresa ‘pensa’ é que o profissional pode avaliar se está atuando de forma coerente ou não.
2. Observe seu trabalho - depois de listar todos os elementos citados no passo anterior, a recomendação é observar seu trabalho. Na prática, se o profissional identifica a comunicação como uma das competências mais importantes para o seu trabalho, ele deve prestar atenção como se comunica.
Numa reunião, por exemplo, analise como é sua comunicação, ou seja, como fala e o que fala. Só com esses dados em mãos será possível partir para a análise, ou seja, tentar entender os pontos positivos e os negativos da sua comunicação e pensar como poderia ter feito diferente.
3. Busque a avaliação dos pares - a avaliação do trabalho não deve se limitar àquela realizada pelo chefe. A consultora de recrutamento e seleção da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Sueli Duarte, sugere que os profissionais peçam um feedback de mais pessoas.
Sueli recomenda a elaboração de um questionário de avaliação. Deve-se selecionar as competências mais importantes para o seu trabalho e inserir nesse documento. Depois de elaborado, peça para que seus pares e demais membros da equipe responda-o. É importante deixar claro para aqueles que vão avaliá-lo que sua intenção é melhorar sua performance. “Crie um ambiente de confiança”, sugere Sueli. A intenção aqui é evitar que as pessoas se sintam inibidas a pontuar os pontos negativos.
4. Teste - alguns testes são úteis para identificar o perfil profissional do trabalhador. Assim, tendo um conhecimento melhor de suas próprias características, será mais fácil elaborar um plano de ação. Sueli sugere o MBTI, um dos testes que ajudam a conhecer o perfil profissional. Apesar desse teste não dizer nada sobre a performance, é interessante para entender melhor seu perfil e poder ajustar seu plano de ação.
“O profissional reponde uma série de perguntas, e o resultado mostra qual seu tipo de liderança, seu tipo de comunicação, as possíveis interferências, onde ele deposita energia, se ele é emocional ou racional, entre outros”, explica.
5. Capacidade de entrega - alguns sinais podem mostrar se o trabalho está sendo bem desempenhado ou não. Se o chefe faz algumas demandas que não são entregues no prazo, é fácil perceber que o trabalho não anda bem. Por outro lado, se o profissional recebe tarefas além das cotidianas, é um sinal de que seu trabalho está sendo bem recebido e seu chefe confia em sua capacidade de entrega. Analisar se suas metas estão sendo atingidas é outro importante indicador de desempenho.
6. Seu conhecimento está sendo solicitado? - segundo o professor do curso de Recursos Humanos da Veris IBTA e headhunter, Cristiano Rosa, uma análise que ajuda o profissional a avaliar como está o seu trabalho é “ver até que ponto ele está sendo referência para a tomada de alguma decisão”.
Na prática, participar de reuniões ou de novos projetos, por exemplo, mostra que está fazendo um bom trabalho e a empresa está solicitando seu conhecimento.
7. Networking e interação – Rosa ainda lembra que ter uma agenda repleta de contatos não é suficiente. É preciso interagir. Assim, na autoanálise, veja com qual frequência as pessoas estão requisitando algo de você. Isso demonstra sua importância e referência. O mercado também pode dar sinais de que seu trabalho está sendo bem feito, à medida que oportunidades aparecem sem que você esteja procurando. Fonte: Infomoney
 
Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Nov 22
O governo anunciou ao Congresso Nacional a elevação do valor do salário mínimo para R$ 622,73 a partir de 1º de janeiro de 2012. A previsão era R$ 619,21, com a revisão aumentou R$ 3,52. O reajuste consta da atualização dos parâmetros econômicos utilizados na proposta orçamentária de 2012. O anúncio foi enviado em ofício do Ministério do Planejamento. O projeto orçamentário encaminhado ao Congresso, em agosto passado, foi feito com previsão do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 5,7%.

Com a atualização que elevou a inflação para 6,3%, também haverá a elevação do reajuste do salário mínimo, que era 13,62% para 14,26% em relação ao atual valor que é R$ 545. A política de recuperação do salário mínimo prevê reajuste com base na inflação de 2011 mais a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2010, que foi de 7,5%.

Com a projeção de aumento do INPC haverá também aumento nos benefícios assistenciais e previdenciários para os que recebem acima de um salário mínimo. A previsão de reajuste para esses casos subiu de 5,7% para 6,3%. (Fonte:Agência Brasil)

written by FTIGESP

Ir para página início  513 514 515 516 517 518 519 520 521 522  última