Jan 18
Inscrições para os cursos gratuitos na Escola Senai Theobaldo De Nigris vão até dia 20
Encontram-se abertas as inscrições para funcionários da indústria gráfica nos programas de desenvolvimento profissional gratuitos oferecidos pelo convênio entre o Sindigraf-SP e a Escola Senai de Artes Gráficas “Theobaldo De Nigris”. Esta oportunidade é exclusiva para funcionários das gráficas filiadas ao Sindigraf-SP em dia com a contribuição. Os cursos são os seguintes: Corel Draw para pré-impressão (curso prático); Produção Gráfica (curso teórico); Tecnologia de Impressão Offset (curso teórico, para impressores e ajudantes). As inscrições devem ser feitas até o dia 20 de janeiro de 2011. Informações pelo e-mail spinheiro©abigraf.org.br ou pelo fax: (11) 3232- 4507. RV&A

ECONOMIA I - A inadimplência do consumidor cresceu 6,3% no ano passado, comparado a 2009 mostra o Indicador Serasa Experian. O indicador, que considera as dívidas com atraso de mais de 90 dias, aponta ainda que dezembro foi o oitavo mês seguido de crescimento do número de brasileiros endividados. A inadimplência no mês aumentou 1,1% em relação a novembro, e cresceu 20,9% na comparação com dezembro de 2009.


ECONOMIA II – Nota técnica da Serasa afirma que a elevação anual – de 5,9% em 2009 para 6,3% no ano passado – sinaliza possível correção da taxa de inadimplência medida pelo sistema bancário em 2011, o que significa crédito mais caro.


ECONOMIA III – A Serasa explica que o aumento da inadimplência em 2010 é resultado, em grande parte, do crescimento da renda e da queda do desemprego, que deram mais confiança ao consumidor para contrair dívidas.


ECONOMIA IV – Os economistas da Serasa Experian acreditam que neste início de ano a inadimplência continuará em alta, principalmente devido ao possível aumento da taxa básica de juros (Selic) na semana que vem, para conter a inflação – como preveem analistas de mercado – e ao pagamento dos impostos sobre Propriedade Territorial Urbana (IPTU) e sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e de despesas escolares. Fonte: Agência Brasil

Publicação do Diap faz ‘radiografia’ do novo Congresso
O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) lançou a
5ª edição da “Radiografia do Novo Congresso”, publicação da série Estudos Políticos, que traça o perfil socioeconômico da nova composição da Câmara e do Senado. A publicação é uma referência para todos que se interessam pelo processo político e eleitoral do País, pela análise das eleições majoritárias e proporcional.
A partir de informações qualitativas e quantitativas, a equipe do Diap oferece à sociedade em geral e às lideranças sindicais em particular um mapa do Poder Legislativo.
Neste número da série Estudos Políticos, o leitor encontrará informações sobre os índices de renovação das duas Casas do Congresso Nacional, saberá quem ganhou e quem perdeu em termos partidários, identificará os parlamentares mais influentes, terá informações sobre os parlamentares eleitos com seus próprios votos, além da agenda prioritária do novo governo que depende do Congresso. www.diap.org.br

Centrais sindicais fazem manifestações amanhã por salário mínimo de R$ 580
Brasília – As centrais sindicais farão manifestações amanhã (18) em vários estados reivindicando aumento do salário mínimo para R$ 580 e correção da tabela do Imposto de Renda. Já estão confirmadas manifestações em São Paulo, na Bahia e no Rio Grande do Sul.
Na última sexta-feira (14), durante reunião ministerial, o governo decidiu elevar o salário mínimo de R$ 540 para R$ 545. De acordo com o governo, o aumento traria um impacto de R$ 1,4 bilhão nas contas públicas deste ano. Mesmo assim as centrais sindicais reivindicam R$ 580.
Além disso, as centrais pedem correção da tabela do Imposto de Renda. Em 2006, as centrais haviam fechado um acordo com o governo que valeria até 2010. Pelo acordo, a tabela teria correção de 4,5% a cada ano, e já estava prevista nova correção para 2011. Fonte: Agencia Brasil

Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Jan 17
COMBUSTÍVEL - Trafegar pela rodovia BR 153, no trecho que corta São Paulo, está mais barato na hora de abastecer veículos pesados. Segundo o último levantamento do Índice de Preços Ticket Car (IPTC), encher o tanque com óleo diesel nessa região custa, em média, R$ 1,89/l. Na contramão, a BR 163 em Mato Grosso do Sul tem o valor mais caro, R$ 2,25/l.


DENGUE I – A presidenta Dilma Rousseff pediu que, como parte das ações de prevenção e combate à dengue, o Ministério da Saúde faça reuniões com secretários estaduais de Saúde dos 16 estados identificados como de alto risco de proliferação da doença.


DENGUE II – “Fizemos uma reavaliação e temos hoje 16 estados em situação de alto risco de epidemia e vamos fazer de imediato a reunião. Desde a última sexta-feira (7) estou visitando esses estados para fazer compromisso com prefeitos, governadores e com a rede de atenção”, afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha que pela tarde irá detalhar, em entrevista coletiva, os dados de combate à dengue e quais estados fazem parte do grupo de alto risco.


DENGUE III – Nos dois primeiros meses do ano, ele deve visitar sete estados – Amazonas, Acre, Espírito Santo, Ceará, Tocantins, Goiás e Pará – a fim de sensibilizar gestores de saúde e de outras áreas como educação, saneamento básico, abastecimento de água e limpeza pública, além da população. Fonte: Agência Brasil


Calcgraf realiza treinamento gratuito
A Calcgraf, empresa que desenvolve sistemas de gestão para gráficas, realiza no dia 19 de janeiro, em sua sede, na capital paulista, a partir das 18h, um treinamento gratuito sobre o módulo de orçamento Webgraf, um dos mais recentes sistemas integrados da empresa. Com a iniciativa, além de difundir sua tecnologia, a empresa tem o objetivo de oferecer conhecimento e qualificar profissionais. A Calcgraf está localizada à rua Teixeira da Silva, 660 – Paraíso – São Paulo. Os interessados em participar do treinamento ou obter mais informações podem entrar em contato com a empresa pelo e-mail atendimento©calcgraf.com.br ou pelo telefone (11) 3885-0500. Publish

Começa convocação para troca do RG pelo novo registro de identidade
Brasília - A convocação dos selecionados para trocar a antiga cédula de identidade (RG) pelo novo cartão de Registro de Identidade Civil (RIC) começa hoje (17). Os moradores de Brasília, do Rio de Janeiro e de Salvador serão os primeiros a receber as cartas informando sobre a troca.
A escolha foi aleatória. Segundo o Ministério da Justiça, as cidades de Hidrolândia (GO), Ilha de Itamaracá (PE), Nísia Floresta (RN) e Rio Sono (TO) também fazem parte do projeto piloto, e o início da convocação será ainda no primeiro semestre.
Os cartões dos selecionados já estão prontos, pois foram feitos com base nos cadastros repassados pelos estados ao Ministério da Justiça. O RIC é um cartão magnético, com impressão digital e chip eletrônico, que inclui informações como nome, sexo, data de nascimento, foto, filiação, naturalidade e assinatura, entre outros dados. O Ministério da Justiça estima que a substituição da carteira de identidade será feita gradualmente, ao longo de dez anos. Fonte: Agencia Brasil

Salário mínimo será de R$ 545, anuncia Mantega
SÃO PAULO - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta sexta-feira (14), após reunião ministerial, que o novo salário mínimo será de R$ 545. Inicialmente, o mínimo previsto seria de R$ 540, que chegou a ser aprovado no Orçamento da União e já está em vigor deste o dia 1º deste mês.
De acordo com o ministro, o valor ficaria em R$ 543, mas o governo arredondou para R$ 545, para facilitar o saque nos caixas eletrônicos. O aumento deve gerar impacto de R$ 1,4 bilhão nas contas públicas deste ano. O novo mínimo deve passar a valer em fevereiro.
O governo reajustou novamente o salário, segundo a Agência Brasil, porque o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) fechou 2010 maior que o previsto. O cálculo do aumento do mínimo é baseado no resultado do INPC do ano anterior mais o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), conforme foi acertado com as centrais sindicais.
Mantega ainda afirmou que o governo enviará ao Congresso uma medida provisória para transformar a fórmula de reajuste do salário mínimo em lei.
Não passaria de R$ 540
Mantega havia afirmado no dia 4 de janeiro que propostas de salário mínimo diferentes de R$ 540 seriam vetadas.
De acordo com o ministro na ocasião, um aumento acima de R$ 540 causaria um aumento do gasto da Previdência e a deterioração das contas públicas, dificultando o resultado fiscal pretendido.
"O salário mínimo de R$ 540 é o cumprimento de uma política de aumento salarial que foi acertada com os trabalhadores, portanto, ela deve ser posta em prática. Se vier alguma coisa diferente, nós vamos simplesmente vetar", havia dito o ministro.
Congresso
Já o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, afirmou no último dia 10 que, se o Congresso Nacional alterar o salário mínimo, o governo acatará a decisão.
"O Congresso é soberano", disse Lupi. "O que o Congresso definir nós todos teremos que aceitar, porque é o Congresso que decide", afirmou o ministro. Fonte: Infomoney


Vale-transporte: direito do trabalhador e obrigação do empregador
De acordo com a Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho, a legislação que disciplina o vale-transporte permite a conclusão de que é encargo do empregador comprovar que estava desobrigado de conceder o benefício, seja porque forneceu transporte para o deslocamento do empregado da residência para o local de trabalho (e vice-versa), seja porque o trabalhador optou por não fazer uso desse direito.
No recurso de revista examinado pelo ministro Vieira de Mello Filho, a empresa de Calçados Bibi foi condenada pela Justiça do Trabalho gaúcha a pagar a ex-empregado indenização correspondente ao valor gasto por ele com passagens em transporte coletivo para ir de casa ao serviço e vice-versa (quantia equivalente a R$2,00 por dia, no período de 15.05.2001 a 15.05.2002).
A empresa contestou a decisão e alegou que o empregado não provara o preenchimento dos requisitos para a obtenção do benefício, nos termos da Orientação Jurisprudencial nº 215 da Seção de Dissídios Individuais do TST, que estabelece como ônus do empregado comprovar que satisfaz os requisitos indispensáveis à obtenção do vale-transporte.
Entretanto, o relator negou provimento ao recurso da empresa e foi acompanhado pelos demais integrantes da Turma. O ministro Vieira esclareceu que o vale-transporte, instituído pela Lei nº 7.418/85, prevê que o empregador, pessoa física ou jurídica, deverá antecipar o benefício ao empregado para utilização efetiva em despesas de deslocamento residência-trabalho e vice-versa, por meio de transporte público coletivo (artigo 1º).
O relator ainda destacou que, conforme o Decreto nº 95.247/87, que regulamentou a matéria, o empregador fica desobrigado de conceder o vale-transporte se proporcionar, por meios próprios ou contratados, o deslocamento dos seus trabalhadores. E para receber o vale-transporte, o empregado deverá informar o endereço residencial e os transportes adequados ao seu deslocamento.
Portanto, concluiu o ministro Vieira, a legislação criou um direito para os trabalhadores e uma obrigação para os empregadores. O empregador ficaria livre da obrigação de conceder o benefício somente em duas situações: se fornecer o transporte (direta ou indiretamente) ou se o empregado optar por não utilizar o vale-transporte.
Assim, no início do contrato de trabalho, o empregador deve procurar saber o local de residência do empregado e os serviços de transporte disponíveis para permitir o deslocamento do trabalhador da residência até o local de prestação dos serviços e vice-versa. O decreto, inclusive, prevê que a existência de falsa declaração ou uso indevido do benefício pelo trabalhador constitui falta grave.
De qualquer forma, na avaliação do ministro Vieira, compete ao empregador guardar as informações prestadas pelo empregado acerca da concessão do vale-transporte, até para posterior utilização como meio de prova em eventual reclamação trabalhista. Como, no caso, inexistia documento que isentasse a empresa da obrigação de conceder o vale-transporte, permanece a obrigação de indenizar o ex-empregado. Fonte: TST

Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Jan 14
Com o aumento do salário-mínimo em 5,9%, em 1º de janeiro, benefício fica entre R$ 540 e R$ 1.010,34
Brasília, 10/01/2011 - Com o aumento do salário-mínimo a partir de 1º de janeiro para R$ 540, a tabela do seguro-desemprego, aprovada pelo Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat), também sofreu alterações. O valor do benefício passa a figurar entre R$ 540 e R$ 1.010,34.
O seguro é pago com base na média dos três últimos salários recebidos pelo trabalhador. O número de parcelas, que varia de acordo com o tempo trabalhado, pode ser de no mínimo três e no máximo cinco meses: três parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício de no mínimo seis e no máximo 11 meses, nos últimos 36 meses; quatro parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício de no mínimo 12 e no máximo 23 meses, nos últimos 36 meses; cinco parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício de no mínimo 24 meses, nos últimos 36 meses.
Têm direito ao seguro-desemprego os trabalhadores demitidos sem justa causa, o pescador artesanal e o doméstico, desde que o empregador esteja recolhendo o Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS).
O trabalhador pode requerer o benefício a partir do sétimo até 120º dia após a demissão sem justa causa. Para tanto, deve procurar as Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego (SRTEs), Gerências do Trabalho, Sines, ou postos/sindicatos conveniados ao MTE.
Os recursos são do Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT).
Clique aqui para saber mais sobre seguro-desemprego.
A apuração do valor do benefício tem como base o salário mensal do último vínculo empregatício na seguinte ordem:
Tendo o trabalhador recebido três ou mais salários mensais a contar desse último vínculo empregatício a apuração considerará a média dos salários dos últimos três meses;
Caso o trabalhador em vez dos três últimos salários
VALOR DO BENEFÍCIO
A apuração do valor do benefício tem como base o salário mensal do último vínculo empregatício, na seguinte ordem:
Tendo o trabalhador recebido três ou mais salários mensais a contar desse último vínculo empregatício, a apuração considerará a média dos salários dos últimos três meses;
Caso o trabalhador, em vez dos três últimos salários daquele vínculo empregatício, tenha recebido apenas dois salários mensais, a apuração considerará a média dos salários dos dois últimos meses;
Caso o trabalhador, em vez dos três ou dois últimos salários daquele mesmo vínculo empregatício, tenha recebido apenas o último salário mensal, este será considerado, para fins de apuração.
Observação:
Caso o trabalhador não tenha trabalhado integralmente em qualquer um dos últimos três meses, o salário será calculado com base no mês de trabalho completo.
Para aquele que recebe salário/hora, semanal ou quinzenal, o valor constante no requerimento deverá ser o do salário mensal equivalente, conforme a regra abaixo:
Cálculo do salário mensal
Salário/hora = Y --> Salário mensal = Y x 220
Salário/dia = Y--> Salário mensal = Y x 30
Salário/semana =Y --> Salário mensal = Y ÷ 7 x 30
Salário/quinzena = Y --> Salário mensal = Y x 2
O último salário é obrigatoriamente aquele recebido no mês da dispensa, constante no TRCT, no campo Maior Remuneração.
TABELA PARA CÁLCULO DO BENEFÍCIO SEGURO-DESEMPREGO JANEIRO/2010
Calcula-se o valor do Salário Médio dos últimos três meses trabalhados e aplica-se na tabela abaixo:
Faixas de Salário Médio Valor da Parcela
Até R$ R$ 891,40 Multiplica-se salário médio por 0.8 (80%)
De R$ 891,41 até R$ 1.403,28
O que exceder a 841,88 multiplica-se por 0.5 (50%) e soma-se a 713,12.
Acima de R$ 1.403,28 O valor da parcela será de R$ 1.010,34 invariavelmente.
Salário Mínimo: R$ 540,00
Observação:
• O valor do benefício não poderá ser inferior ao valor do Salário Mínimo.
• Em vigor a partir de 01 de Janeiro de 2011.

written by FTIGESP

Jan 14
Associação da Califórnia lança campanha em favor dos impressos
A Associação do Setor de Impressão do Sul da Califórnia (PIASC) lançará no dia 17 de janeiro uma campanha intitulada “Choose Print” (Escolha o Impresso). O objetivo é divulgar o valor e o poder dos impressos, que são uma opção reciclável, renovável e ambientalmente sustentável. A campanha ressalta que a maioria das fibras utilizadas para produzir papel é oriunda de florestas plantadas e papéis reciclados. Ela destaca também que os impressos auxiliam consideravelmente nas vendas de produtos, tanto online como offline. Para mais informações, acesse o site www.chooseprint.org. Tecnologia Gráfica

Centrais discutem salário mínimo paulista com Alckmin
As Centrais Sindicais querem deflagrar nos próximos dias um esforço para pressionar por um reajuste também nos salários mínimos regionais, como parte da estratégia para pressionar o governo federal a elevar o valor do Piso nacional, fixado em R$ 540 desde o dia 1º de janeiro. Para isso, articulam encontros com governadores para reivindicar uma elevação superior à inflação acumulada de 2010, que foi de 6,47%.
Nesta quinta-feira (13), líderes de sete Centrais foram recebidos pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), para um café da manhã no Palácio dos Bandeirantes, onde um dos temas foi o reajuste do mínimo regional, cujo valor será definido em abril. “O convite partiu do governador e irá tratar de um primeiro contato com o movimento sindical”, disse o presidente da Força Sindical em São Paulo, Danilo Pereira.
De acordo com o dirigente, a central sindical ainda não definiu o valor do Piso regional a ser reivindicado. Atualmente, o salário mínimo paulista varia de R$ 560 a R$ 580, dependendo da ocupação.
O presidente da CUT de São Paulo, Adi dos Santos, defendeu um reajuste do mínimo que leve em conta o peso do Estado na produção nacional. O dirigente pregou que o cálculo do reajuste do vencimento seja calcado nos critérios estabelecidos pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que leva em conta o custo de vida em São Paulo. Fonte: Agencia Estado

Governo libera FGTS e amplia seguro-desemprego às vítimas das enchentes
SÃO PAULO - O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, anunciou nesta quinta-feira (13) a liberação do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e a ampliação do seguro-desemprego para trabalhadores das áreas atingidas pelas fortes chuvas, que estejam em situação de emergência ou estado de calamidade pública.
As vítimas das enchentes poderão sacar um valor de até R$ 4.650 do fundo. "O esperado é que a partir desta sexta-feira os trabalhadores das áreas onde foi decretada calamidade pública consigam sacar seu FGTS. Sobre o seguro-desemprego, nestas mesmas regiões onde haja calamidade pública, os trabalhadores poderão receber mais duas parcelas do Seguro-Desemprego, que varia de R$ 540 até R$ 1.010,34", afirmou o ministro.
Segundo Lupi, ele deve propor à presidente Dilma Rousseff que aumente o valor-teto para o saque do FGTS para R$ 5.400, em casos especiais.
"O trabalhador deve utilizar este dinheiro, para recuperar sua casa e seus pertences e para que possa suprir necessidades imediatas", disse Lupi.
Quem pode sacar o FGTS?
Pode sacar o FGTS o titular da conta que resida em áreas que foram decretadas em situação de emergência ou estado de calamidade pública em portaria do Ministério da Integração Nacional.
As listas das cidades em processo de decretação e reconhecimento estão disponíveis no site do ministério.
Para realizar a habilitação na Caixa Econômica Federal, o trabalhador tem de comprovar que morava em uma dessas áreas afetadas, por meio de contas de água, luz ou telefone, entre outros meios de comprovação. Caso não tenha nenhum desses documentos para comprovar residência, o titular da conta pode apresentar uma declaração emitida pela Prefeitura da cidade onde mora.
O intervalo entre uma movimentação e outra não pode ser inferior a 12 meses. Fonte: Infomoney

Justiça dá revisão a benefício de 92 a 96
Quem se aposentou pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) entre janeiro de 1992 e dezembro de 1996 pode conseguir, na Justiça, um aumento de 7,14%, em média, no valor do benefício.
Uma decisão do TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), que atende São Paulo e Mato Grosso do Sul, publicada em dezembro, garantiu o aumento a um segurado que se aposentou em 1993 e que não teve as contribuições do 13º salário incluídas no cálculo do seu benefício.
Entre 1991 e 1993, o INSS descontava a contribuição do abono de Natal dos segurados, mas essa grana não entrava na conta do valor do benefício. A medida reduziu o pagamento de quem se aposentou entre 1992 e 1996. Fonte: Agora SP

Veja ganho da revisão para benefícios de 92 a 96
O segurado do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) que se aposentou entre janeiro de 1992 e dezembro de 1996 pode conseguir, na Justiça, um aumento de até 7,14% no valor da sua aposentadoria e atrasados --diferenças não pagas nos últimos cinco anos-- que podem chegar a R$ 15.978.
Esse valor pode ser conquistado por quem recebe hoje R$ 3.443 e tem direito ao aumento máximo. O novo benefício, nesse caso, saltaria para R$ 3.688,83. Quem ganha hoje R$ 1.500, por exemplo, pode ter direito de receber R$ 6.961,50 de atrasados se conquistar um aumento de 7,14%.
Uma decisão do TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), publicada em dezembro, garantiu o aumento a um segurado que se aposentou em outubro de 1993. Fonte: Agora SP


STF dará 5 decisões que afetarão os aposentados
O STF (Supremo Tribunal Federal), a mais alta instância do Judiciário no país, pode julgar neste ano pelo menos cinco processos que afetam diretamente aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).
Um dos julgamentos mais aguardados --e que tende a ser o primeiro da lista-- refere-se à troca de benefício para o aposentado que continua trabalhando (também conhecido como desaposentação). A questão, polêmica no Judiciário, começou a ser julgada no ano passado, mas o ministro Dias Toffoli pediu para analisar melhor o caso.
O gabinete de Toffoli informou que o ministro já definiu o seu voto e que devolverá o processo assim que o tribunal voltar do recesso, no dia 1º de fevereiro. Dessa forma, estará na mão da presidência do Supremo colocar o processo na pauta de julgamentos. Fonte: Agora SP


Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Jan 13
Abril Educação lança títulos escolares no iPad
Na onda crescente de lançamentos de títulos de jornais e revistas no iPad, da Apple, a Abril Educação, por meio da Editora Ática, acaba de anunciar versões de dois livros infantis da coleção Todos Juntos para o tablet: A Ararinha de Bico Torto e Meus Dois Pais, ambos do escritor e novelista Walcyr Carrasco. É o primeiro lançamento de uma editora escolar específico para o iPad. Ambos os títulos/aplicativos estão disponíveis na Apple Store, ao preço de US$ 9,99 cada e contam com recursos multimídia exclusivos do tablet como narração, desenhos para colorir e informações adicionais sobre os personagens. Com esses lançamentos, está praticamente coberto o espectro de segmentos de editoras que já contam com versões digitais para tablets. Meio & Mensagem online

Veículos de comunicação preveem um 2011 mais contido para a mídia
Em mesa-redonda realizada pelo Meio & Mensagem, representantes dos vários segmentos debateram o futuro da mídia e os mais diversos modelos do setor que transitam entre a mídia tradicional, off-line, e o novo mundo online. “O desafio da indústria da internet no Brasil é permitir que esse ecossistema cresça de uma maneira saudável através da valorização do meio”, disse Fábio Coelho, presidente do iG (e também presidente do IAB Brasil). Para Rubens Campos, diretor geral do Sistema Globo de Rádio, “o desafio é produzir conteúdo de qualidade nas mais diversas formas possíveis e ancorar o crescimento do negócio na força da marca, na credibilidade e no prestígio". Segundo Flávio Pestana, diretor geral e CEO da Rede Bom Dia/Diário de S. Paulo, “cada grupo social terá um comportamento diferente para a adoção de novos meios, como o tablet. Será numa velocidade diferente. Os jornais populares demorarão muito mais para fazer essa migração, até mesmo por conta do poder aquisitivo, pela cultura e pelo hábito". Para Caco Azulgaray, presidente executivo da Editora Três, “Para nós, está cada vez mais claro que vão se perpetuar as marcas, independentemente das plataformas. As marcas, no mundo inteiro, têm se mostrado muito fortes”. Diz Martha Cajado, diretora de marketing da TV Bandeirantes, que “o desafio é sustentar o nível de consumo do nosso conteúdo. Temos que olhar o público jovem porque é o público que mais consome as diferentes plataformas e acho que a TV digital é uma grande alavanca para levar esse conteúdo para as pessoas.” Na opinião de Alberto Niccoli Jr., vice-presidente sênior e gerente geral da Sony Pictures Television no Brasil, “sem sombra de dúvida, em termos de mercado publicitário, temos que ficar felizes porque o nosso mercado cresce. Isso é a coisa mais importante. Depois, vamos brigar no dia-a-dia pela nossa fatia. São questões que fazem parte do nosso negócio.” A íntegra da mesa-redonda está na edição 1441 de Meio & Mensagem, com data de 10 de janeiro de 2011: http://www.mmonline.com.br/noticias.mm?url=Cresca_com_moderacao&id_noticia=147129 Meio & Mensagem online


Brasil registra queda no lançamento de embalagens
O Brasil registrou queda de 15,41% no lançamento de embalagens em 2010, com 12.048 unidades. O cenário mundial, no entanto, apresentou crescimento de 3,03%, segundo levantamento realizado pelo Laboratório de Monitoramento Global de Embalagem da ESPM. O resultado confirma a retomada da indústria global, após a queda no último trimestre de 2008 por conta da crise econômica. Em comparação ao crescimento global, a queda no Brasil é vista como uma consequência tardia da crise. Entre os países que mais lançaram embalagens em 2010, a novidade é o crescimento da Alemanha, que ultrapassou França e Japão, garantindo o terceiro lugar. Já Estados Unidos e Reino Unido ocupam a primeira e a segundo colocação, respectivamente, enquanto o Brasil está na sexta posição. Completam a lista Japão (4º), França (5º), Canadá (7º), México (8º), China (9º) e Índia (10º). Entre as 10 categorias com maior número de embalagens lançadas no mundo no último ano estão, nesta ordem, maquiagem para os lábios, produtos para o rosto e pescoço, biscoitos doces, esmalte para unhas, produtos para o corpo, maquiagem para os olhos, produtos para o banho, xampu, bolos e pastelaria e temperos. Mundo Marketing


Centrais reforçam pauta unitária: foco da luta é mínimo de R$ 580,00
As Centrais Sindicais, mais uma vez, marcharão unidas em torno de umapauta que atenda os interesses dos trabalhadores da ativa e dos aposentados. O centro dessa pauta, hoje, é aumento real para o salário mínimo. Mas outros pontos mobilizam as Centrais, como:1) Recuperação do valor dos proventos de aposentados e pensionistas; 2) Atualização das tabelas do Imposto de Renda (IR), a fim de reduzir o desconto sobre os salários.
Esses eixos foram discutidos e reafirmados na manhã de terça (11), durante encontro na sede da UGT, no Centro de São Paulo, que reuniu dirigentes da CUT, Força Sindical, CTB, Nova Central, CGTB e UGT.
Os líderes das Centrais também definiram ações de curto prazo. A saber: 1) Publicação de nota conjunta (quarta ou quinta) nos principais jornais do País; 2) Atos dia 18, concentrados nas Capitais, pela atualização das tabelas do IR, que não vêm incorporando
a inflação acumulada; 3) Atos dia 24, Dia Nacional do Aposentado, por aumento real
no valor dos proventos.
Com Dilma - As seis Centrais também vão encaminhar, em caráter de urgência, pedido de audiência com a Presidente da República, Dilma Rousseff, a fim de debater os três itens da pauta unificada, mas tendo como meta principal aumento real para o salário mínimo. As Centrais pleiteiam mínimo
de R$ 580,00, garantindo, dessa forma, a política de recuperação de seu valor pactuada com o então presidente Lula.
A ideia das Centrais é ter uma conversa pontual com Dilma, já destacando esses pontos no próprio pedido de audiência. Antonio Neto, da CGTB, destacou que o objetivo é manter o que deu certo durante o governo Lula. “Vamos tratar da nossa pauta, já aprovada pela experiência, e não fazer coro para os derrotados nas urnas”.
Presentes - A reunião da terça, na UGT, contou com presença de quatro presidentes e de cinco Centrais: Paulo Pereira da Silva (Força), Ricardo Patah (UGT), Wagner Gomes (CTB) e Antonio Neto (CGTB), além do presidente estadual da Nova Central, Luiz Gonçalves, e do secretário-geral da CUT, Quintino Severo. Fonte: Agencia Sindical

Centrais podem ir à Justiça por correção de 6,4% na tabela do IR
As Centrais Sindicais vão pedir à presidenta Dilma Rousseff uma correção de 6,43% na tabela de cobrança do Imposto de Renda (IR), mesmo percentual da inflação acumulada em 2010. A decisão foi tomada na terça (11), em encontro que reuniu representantes da CUT, Força Sindical, Nova Central, CTB, CGTB e UGT.
Segundo os sindicalistas, o reajuste de 6,43% na tabela é essencial para garantir que as conquistas salariais obtidas em 2010 não sejam reduzidas com o pagamento do IR. “A maior parte dos sindicatos conseguiu aumento real para sua categoria. Alguns, 4 ou 5 pontos percentuais acima da inflação”, afirmou o presidente da UGT, Ricardo Patah. “Esses aumentos ficam completamente prejudicados pela não correção da tabela do IR.”
Caso o governo federal não aceite a proposta, as entidades pretendem ir à Justiça para reivindicar o reajuste. Segundo Patah, a busca pela Justiça foi a estratégia usada para a correção da tabela do IR no governo de Fernando Henrique Cardoso. Portanto, pode ser repetida. As entidades também já agendaram uma manifestação na próxima terça-feira (18) na Avenida Paulista, em São Paulo, em defesa da correção da tabela.
Defasagem - De acordo com as Centrais a tabela do IR acumula defasagem de cerca de 70% desde 1995. Este percentual é referente à inflação do período não repassada à tabela de cobrança do imposto. Fonte: Agência Brasil


Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Ir para página início  528 529 530 531 532 533 534 535 536 537  última