Mar 14
Geração de emprego em fevereiro pode ser recorde no mês
A coluna de Mônica Bergamo, publicada na edição de quinta-feira (10) no jornal Folha de S.Paulo informa que a geração de empregos em fevereiro pode ter sido recorde para o mês no Brasil. De acordo com a coluna, o próprio ministro Carlos Lupi (Trabalho) revelou que dados preliminares mostram que serão criadas pelo menos 208 mil vagas, contra 205 mil abertas no mesmo mês do ano passado.
“É provável que cheguemos a 210 mil. Foi o melhor fevereiro da história”, avaliou Lupi. Segundo o ministro, o emprego no campo deve compensar qualquer alteração negativa no fechamento dos dados. “A agricultura do Sul e do Centro-Oeste estão fortes e devem equilibrar qualquer diferença”, declarou o ministro à coluna. O Ministério do Trabalho deve anunciar os números do emprego em fevereiro na próxima semana. Fonte: www.folha.com.br

Renda feminina cresce mais do que masculina no Nordeste
A renda das mulheres cresceu mais do que a dos homens em três regiões metropolitanas do Nordeste pesquisadas pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos) em 2010.
Em Fortaleza, Recife e Salvador, enquanto o rendimento feminino por hora avançou de 1,8% a 12,7%, o masculino variou de -0,2% a 9,7%.
Nas outras regiões do País, a renda feminina também avançou, mas em São Paulo e em Porto Alegre o incremento foi menor do que o obtido pelos homens. Em Belo Horizonte e no Distrito Federal, a variação foi semelhante.
Lúcia Garcia, supervisora da Pesquisa de Emprego e Desemprego do Dieese, afirma que a combinação aumento do salário mínimo com crescimento acelerado da economia em 2010 explica a vantagem feminina nas três capitais nordestinas. Fonte: Dieese www.dieese.org.br

Metro passa a circular na Guatemala
A Metro International S/A, grupo de jornais internacionais, fechou um acordo de empreendimento conjunto (joint venture) e franquia com o Grupo de Emisoras Unidas (GEU), um dos principais grupos de mídia da Guatemala. Uma nova edição do Metro com a marca Publinews foi lançada no país, servindo como um centro para futuras expansões na América Central. Trata-se do primeiro jornal gratuito da Guatemala, o qual terá circulação diária (exceto aos domingos), com tiragem inicial de 84 mil exemplares. O país é o quinto da América Latina a receber o jornal, que já circula no Chile, México, Brasil e Equador. Tecnologia Gráfica

Plural amplia sua capacidade produtiva com a instalação de mais uma Sunday 3000
Com a instalação de mais uma impressora de última geração, a Plural amplia sua capacidade produtiva na América do Sul. A capacidade produtiva da Plural que era de 1,3 milhão de cadernos de 16 páginas por hora, com o início das operações da nova rotativa, neste mês, passa a ser de 1.496.500 IPH, ou seja, quase 1,5 milhão de cadernos de 16 páginas por hora. A Plural também investiu em acabamento, com a instalação de uma máquina de lombada quadrada que é capaz de produzir até 15 mil exemplares por hora, já preparada para PUR com mais de 50m de esteira. Fonte: Abigraf

Palestra: Como ser eficiente com sua rotativa
A Abro (Associação Brasileira de Empresas com Rotativa Offset) promove a palestra "Como ser eficiente com sua rotativa", em 16 de março, da 8h30 às 18h. O programa abrangerá os seguintes temas: novas demandas de mercado/tendências; melhorando o tempo de setup; controles do processo (controle de tensão; controle de cor; controle de registro; problemas/causas/soluções no processo). A palestra é gratuita para associados. Para não associados o investimento é de R$ 60 (por pessoas). As inscrições podem ser feitas até 14 de março. O local de realização da palestra é o auditório Senai (Rua Bresser, 2315 - Mooca - SP/SP). Para fazer sua inscrição envie um e-mail para abro©portalabro.org.br ou ligue para (11) 3393.2083. Outras informações no www.portalabro.org.br RV&A

Boletim Focus mostra todos os indicadores de inflação em alta
Brasília – A expectativa de inflação para este ano aumentou mais um pouco, de acordo com a pesquisa que o Banco Central (BC) realiza todas as sextas-feiras com uma centena de analistas financeiros para avaliar as tendências do mercado sobre os principais indicadores da economia.
Segundo a expectativa média dos pesquisados, a perspectiva de inflação oficial no mês aumentou de 0,49% na pesquisa anterior para 0,50% no boletim Focus que o BC divulgou hoje (14). Essa elevação ajudou a aumentar a projeção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no ano, que era de 5,78% na pesquisa anterior, e passou para 5,82%.
O boletim Focus revela também que a estimativa dos analistas da iniciativa privada para os preços administrados por contrato ou monitorados (combustíveis, energia elétrica, educação, água, saúde e outros) permanece em 4,5% neste ano e em 2012. O índice supera a projeção de 4% divulgada na ata do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana passada.
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) medido pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (Fipe) da Universidade de São Paulo (USP) prevê inflação de 5,51% no ano, ante projeção de 5,49% na pesquisa anterior. Esse índice é válido apenas para a região metropolitana de São Paulo.
No mercado atacadista, as pesquisas também indicam altas: a projeção para o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) este ano aumentou de 6,77% para 6,88% na comparação semanal, e o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) passou de 6,87% para 6,97%. Fonte: Agencia Brasil
Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Mar 11
Novo presidente do TST quer Sindicatos fortes
O ministro João Oreste Dalazen assumiu, na quarta-feira (2), a presidência do Tribunal Superior do Trabalho (TST). “Qualquer avanço substancial nas relações trabalhistas passa pelo fortalecimento dos Sindicatos”, disse na posse. Segundo Dalazen, “não se conhece economia capitalista bem sucedida sem Sindicatos fortes”.
Engraxate na infância, ele defendeu a erradicação do trabalho infantil: “Temos mais de quatro milhões de crianças e adolescentes trabalhando. Na informalidade, sem garantia trabalhista e previdenciária, privam-se da convivência familiar e da vida escolar”. Dalazen viveu pessoalmente esse drama. “Perambulei pelas ruas de Curitiba, onde me dediquei a inúmeros ofícios para sobreviver”, contou.
Terceirização
O novo presidente do Tribunal também defendeu que o Brasil adote normas claras sobre terceirização: “Carecemos de normas que fixem limites para a terceirização e limites de responsabilidades para as empresas e entes públicos”, disse.
Outra mudança pregada pelo novo presidente é uma espécie de Simples Trabalhista, para combater a informalidade. Segundo ele, não dá para onerar empreendedores que são desiguais. “Ao onerar igualmente empreendedores desiguais, contribui-se para a informalidade e para um expressivo número de empregados não registrados”, afirmou. Mais informações: www.tst.gov.br

Micro e pequenas despontam na geração de emprego formal no início do ano
Os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados pelo Ministério do Trabalho na semana passada, apontam que aproximadamente 80% das mais 152 mil das vagas com Carteira assinada criadas em janeiro no mercado de trabalho brasileiro foram geradas dentro de micro e pequenas empresas. Cerca de 70% dos novos postos surgiram nas empresas que possuem até quatro funcionários.
O analista do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Leonardo Mattar, a participação do segmento na contratação de pessoas mantém-se constante. “A gente vem avaliando uma participação muito forte das micro e pequenas empresas nos meses de janeiro e as empresas bem pequenas, com até quatro empregados, têm criado muitas oportunidades de emprego”, explica.
Nas microempresas com 5 a 19 trabalhadores todos os setores tiveram saldos positivos exceto no comércio (-10,9). Nas pequenas empresas que empregam entre 20 e 99 trabalhadores os setores que mais geraram empregos foram serviços e indústria da transformação. No comercio houve perda de vagas (-13,6).
Varejo - As perdas de postos de trabalho no comércio acontecem devido a fatores sazonais. “O comércio tem o residual, a exclusão de empregos temporários do mês de dezembro”, explicou Mattar. Fonte: blog.mte.gov.br

Sindicalismo denuncia que alta da Selic vai frear crescimento
A Força Sindical criticou o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central pela nova elevação da taxa de juros (Selic), que passou de 11,25% para 11,75% ao ano, na quarta-feira (2). “Ao elevar a taxa, o governo, mais uma vez, atende os interesses do capital especulativo, com uma clara demonstração de que o espírito conservador continua orientando a política monetária nacional”, diz a Central, por meio de nota.
A CGTB também divulgou nota, classificando a decisão como “lastimável”. “Cabe a nós, trabalhadores, intensificar a luta para retomar o caminho do desenvolvimento, que pelo visto foi abandonado pela equipe econômica do governo, com o objetivo de preservarmos a geração de empregos, o aumento da massa salarial e o fortalecimento do mercado interno”, ressalta o texto.
Tapa - “É inadmissível”, diz a nota da CTB. “A confirmação de novo aumento soa como um tapa na cara dos trabalhadores e de todos aqueles que realmente fazem com que a economia do País se movimente”, afirma a Central.
A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) também condenou a alta dos juros. “A elevação da taxa Selic é nefasta para a economia do Brasil, pois inibirá o crescimento, a geração de mais empregos e o desenvolvimento econômico e social do País”, afirma o presidente da entidade, Carlos Cordeiro. Fonte: Agências

Setor de embalagem no Brasil cresce 10,13% em 2010
Associação Brasileira de Embalagem (Abre) divulgou na semana passada o balanço setorial do segmento de embalagem em 2010. O estudo, realizado há 15 anos pelo ABRE/FGV, mostrou que a produção física da indústria de embalagem cresceu 10,13% em 2010, após queda de 3,77%, em 2009. Em relação a empregos, em dezembro do ano passado o setor registrou 210 mil posições. A perspectiva para 2011 é que o nível de emprego consolide-se no patamar de 220 mil ocupações. Já as exportações diretas tiveram faturamento de US$ 410 mil em 2010, valor que representa um acréscimo de 16,70% em relação a 2009. O estudo da Abre mostra que em 2011 o setor deverá crescer em média 2,2%. Os fabricantes nacionais de embalagem deverão obter receitas próximas a R$ 44 bilhões, superando os R$ 41,1 bilhões, gerados no ano passado. Abre

Abril nega extinção de revistas
A editora Abril atribui a boatos as notícias que circularam nesta terça-feira, 1º de março, nas redes sociais e na internet – e que, mais tarde, foram detalhadas em matéria do Portal Imprensa – que afirmavam que os títulos Vida Simples, Aventuras na História e até mesmo a revista Info seriam descontinuados. Segundo a notícia, a Abril teria feito uma demissão de dezenas de profissionais dessas redações, sob a alegação de que as revistas não tinham mais viabilidade financeira. A editora Abril, por meio de sua assessoria de imprensa, negou a descontinuidade das revistas. Em seus respectivos perfis oficiais no Twitter, a revista Vida Simples e a Info negaram o seu fim e garantiram que continuarão sendo publicadas. Apesar de negar o fim dos títulos, a Abril está preparando alguma mudança para a produção dessas publicações. A editora demitiu cerca de 50 profissionais na terça-feira (01) e existe a possibilidade de alguns títulos serem produzidos por uma maioria de colaboradores terceirizados. Não houve comunicado oficial aos funcionários e a Abril, por enquanto, não comenta nada sobre este assunto. Em contrapartida, diversas publicações da editora seguem com ampliação de suas equipes, em especial para aumentar sua presença nas plataformas online. Desde que os sites dos principais títulos passaram da Abril Digital para as próprias editorias, são elas que vêm investindo nos seus websites. Meio & Mensagem

Iniciativas socioambientais da Plural
No começo deste ano, a Plural conquistou a certificação ISO 14001:2004, sendo a primeira indústria gráfica com rotativas offset do estado de São Paulo a obter esta conquista. Desde sua fundação, a Plural desenvolve e promove iniciativas socioambientais: previne, reduz e controla os impactos ambientais de todas as suas atividades, produtos e serviços. A gráfica declara seu compromisso com o meio ambiente na Política Ambiental, que estabelece princípios em relação ao desempenho ambiental, sendo assegurada a prática de sustentabilidade. A empresa detém atualmente certificações florestais (FSC e Cerflor/PEFC) e Agri-Web (tinta ecológica). Dentre as ações ambientais, destacam-se: a estação de tratamento de efluentes; o controle total de emissões; o inventário de GEE; a Gestão Integrada de Resíduos; o uso de uniforme ecológico; a educação ambiental de seus profissionais; e o apoio à comunidade em diversas ações. Abigraf


Reajuste nas mensalidades escolares teve maior peso na inflação de fevereiro
Rio de Janeiro - O reajuste de 6,41% nas mensalidades dos cursos formais foi a principal influência para a inflação de 0,80% registrada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em fevereiro deste ano. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o reajuste de 8,24% nos demais cursos também contribuiu bastante para a inflação.
Educação foi o grupo de despesas que registrou a maior taxa: 5,81%. Outro grupo que teve contribuição importante para o IPCA de fevereiro foi o de despesas pessoais, com taxa de 1,43%.
Os alimentos, que puxaram a inflação nos últimos meses, registraram taxa de apenas 0,23%. Os demais grupos de despesas tiveram os seguintes índices: transportes (0,46%), habitação (0,32%), saúde e cuidados pessoais (0,31%), comunicação (0,49%), artigos de residência (0,44%) e vestuário (-0,25%). Fonte: Agencia Brasil
Depois de 21 meses, retiradas superam depósitos em poupança em fevereiro
Brasília - As retiradas da caderneta de poupança foram maiores do que os depósitos em R$ 745,273 milhões, em fevereiro, informou hoje (4) o Banco Central (BC). A captação líquida negativa foi registrada depois de 21 meses seguidos de resultado positivo.
Em janeiro deste ano, a captação líquida positiva (depósitos maiores do que retiradas) foi de R$ 275,071 milhões. Em fevereiro de 2010, o resultado positivo foi de R$ 1,088 bilhão.
No mês passado, os depósitos somaram R$ 95,403 bilhões e as retiradas chegaram a R$ 96,149 bilhões. Os rendimentos da caderneta chegaram a R$ 2,147 bilhões e o saldo ficou em R$ 382,643 bilhões. O relatório do BC se baseia em dados do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) – que destina recursos ao setor imobiliário – e da poupança rural. Fonte: Agencia Brasil
Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Mar 10
Mínimo terá reajuste acima da inflação de 7,5%
O salário mínimo terá reajuste de 7,5% acima da inflação no ano que vem e poderá chegar a R$ 620 (valor arredondado) se o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) fechar em 5,5%, no acumulado do ano de 2011.
Ontem, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu 7,5% em 2010. Por isso, o aumento do salário mínimo em R$ 75 é possível --atualmente, o valor está em R$ 545 desde 1º de março.
A correção do piso nacional poderá ser feita pois um projeto de lei --sancionado pela presidente Dilma Rousseff-- fixa como fórmula de aumento do mínimo a inflação do ano anterior mais o crescimento do PIB de dois anos antes. Ou seja, o reajuste de 2012 usará o índice de crescimento do PIB de 2010 e a inflação de 2011. Essa regra será válida até 2015. Fonte: Agora SP

Governo reajusta valor do seguro-desemprego
Com o acréscimo de R$ 5 no valor do salário mínimo, que subiu de R$ 540 para R$ 545 e entrou em vigor ontem, o seguro-desemprego também foi reajustado. Com isso, o menor valor do benefício, para quem ganha acima do piso nacional, passará de R$ 713,12 para R$ 719,72.
O salário é calculado pela média dos três últimos vencimentos do segurado. Quem teve média salarial de até R$ 899,66 vai receber parcelas de R$ 719,72. O beneficiário que teve média salarial entre R$ 899,67 e R$ 1.499,58 receberá R$ 719,72 mais 50% do que exceder R$ 899,66. O teto do seguro, porém, não foi alterado e permanece em R$ 1.010,34. O seguro-desemprego não pode ser menor do que o salário mínimo vigente --de R$ 545 desde ontem.
A quantidade de parcelas, porém, varia de três a cinco, de acordo com o tempo que o empregado trabalhou com carteira assinada nos três anos anteriores à demissão. A nova tabela será aplicada a trabalhadores que forem demitidos a partir deste mês, com pagamento a partir de abril. Fonte: Agora SP

FGTS amplia limite para financiamento de imóveis
O Conselho Curador do FGTS decidiu hoje ampliar o limite do financiamento com recursos do fundo para a população de baixa renda. Nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio e Brasília, o novo teto para o financiamento passa a ser de R$ 170 mil. O teto anterior era de R$ 130 mil.
Nas demais capitais e cidades com mais de um milhão de habitantes, o limite será de R$ 150 mil; nos municípios com mais de 250 mil habitantes ou em regiões metropolitanas, o teto será de R$ 130 mil; em municípios com mais de 50 mil habitantes, podem ser financiados até R$ 100 mil; e nas demais cidades, até R$ 80 mil.
Veja também:
• Arrecadação líquida do FGTS cresce 18% em janeiro
• Veja como usar o FGTS
No entanto, a renda familiar máxima para enquadramento no financiamento continua em R$ 4,9 mil para regiões metropolitanas e municípios com população superior a 250 mil habitantes, e R$ 3,9 mil para as demais cidades. O ministro do Trabalho e presidente do Conselho Curador do FGTS, Carlos Lupi, disse em nota que "a A medida traz equivalência aos valores praticados no mercado imobiliário e visa cobrir o déficit na habitação popular".
Os limites do financiamento não eram reajustados desde 2007. A taxa nominal de juros das operações é fixada em 6% ao ano mais a variação da TR, sendo que essa taxa pode chegar a 5% com o subsídio para famílias com renda de até R$ 2.790. O FGTS pode financiar até 90% do valor de imóveis novos ou usados, sendo o prazo de pagamento em até 30 anos. Fonte: Valor Online

Brasil é sétima economia do mundo, diz Mantega
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quinta-feira que o crescimento de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no quarto trimestre, na comparação com o terceiro trimestre, indica que a economia não está superaquecida. “No quarto trimestre crescemos 0,7%, com uma despesa pública negativa em 0,3%. Isso indica que economia não está superaquecida e que a poupança de 2011 crescerá mais do que a de 2010”, destacou o ministro.
Leia também:
• Brasil deve virar 7ª economia do mundo
• Brasil vira página da crise com crescimento de 7,5% em 2010
• Na década, média anual do PIB é a maior desde os anos 70
• PIB brasileiro fica em 3º lugar em ranking das maiores economias
No ano, o PIB teve expansão de 7,5%, na comparação com 2009, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “[O crescimento] de 7,5% é muito, mas é um momento excepcional por causa da crise, já estamos agora num patamar de 5% a 5,5%”, acrescentou Mantega.
Segundo o ministro, o resultado de 2010 coloca o Brasil entre os cinco países que mais cresceram no período, ficando atrás da China, da Índia, da Argentina e da Turquia. “Se considerarmos o PIB a preços de paridade e poder de compra, em conta ainda não oficial, a ser feita pelo FMI [Fundo Monetário Internacional] ou pelo Banco Mundial, atingimos um PIB de R$ 3,6 trilhões, o que nos coloca em sétimo lugar, superando a França e o Reino Unido”, disse, em entrevista coletiva para comentar os números divulgados pelo IBGE.
Em economia, a paridade do poder de compra ou paridade do poder aquisitivo é um método alternativo à taxa de câmbio para se calcular o potencial de compra de dois países. Esse mecanismo é utilizado para calcular quanto é que uma determinada moeda, como por exemplo o real ou o dólar, pode comprar em termos internacionais. Por esse parâmetro, uma mesma cesta de bens em países diferentes, por exemplo no Brasil e nos Estados Unidos, deve ter o mesmo preço quando medida na mesma moeda.
O crescimento anual, segundo o IBGE, deve-se à baixa base de comparação no ano anterior, quando o PIB registrou queda de 0,6%, influenciado pelos efeitos da crise financeira internacional.
O IBGE destacou que a formação bruta capital fixo cresceu 21,8%; o consumo das famílias, 7%; e o do governo, 3,3%. De acordo com o instituto, o PIB da indústria teve expansão de 10,1%, e o setor foi o ramo da economia que mais cresceu no ano passado. O PIB agrícola registrou elevação de 6,5% e o de serviços, de 5,4%
O Produto Interno Bruto representa o total de riquezas produzidas no país e é usado para dimensionar o tamanho da economia nacional. Para calcular o PIB, o IBGE utiliza os resultados de pesquisas do próprio instituto ao longo do ano, em áreas como agricultura, indústria, construção civil e transporte. Fonte: Agencia Brasil

Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Mar 04
Foi realizado nos dias 26 e 27 de Fevereiro o Décimo Primeiro Encontro de Mulheres do Estado de São Paulo, realizado na Colônia de Férias do STIG de São Paulo na Praia Grande.

Estiveram presentes:

Representando a Federação dos Gráficos: JORGE FERMINO;

Representando o Secretário de Educação sindical e Gênero: EVERALDO NASCIMENTO;

Representando o STIG de São Paulo: MARCIO VASCONCELO;

PALESTRANTES:
Representando o SINTETEL: MARIA EDNA MEDEIROS;

Representando a Força Sindical: RUTH COELHO MONTEIRO, e TANIA, Secretária da Secretaria da Mulher da Força Sindical;

Técnico do DIEESE:PAULO VALLE;

Sociólogo: FLAVIO URRA

As palestras foram muito produtivas, pois tiveram a participação das trabalhadoras em uma grande dinâmica organizada pelo Sociólogo.

Os trabalhos foram divididos em grupos onde as mulheres trabalhadoras deram suas opiniões em vários problemas enfrentados no dia-a-dia, tanto na parte trabalhista como no lar.

Ex.:
Qual a vantagem e desvantagem de ser Mulher?
A dificuldade que a mulher tem para ocupar cargos decisivos?
A dificuldade que a mulher encontra no movimento sindical?
E outros.

Esses foram alguns dos temas debatidos pelos grupos onde houve a conscientização de todas as trabalhadoras gráficas presentes.


Foto1

Foto2

written by administrador

Mar 04
Pesquisa mostra que o sexo feminino se preocupa mais do que o masculino em se programar para adquirir produtos com preço elevado.
As mulheres podem até gastar mais do que planejam na hora de comprar itens supérfluos, mas preferem pensar com mais cuidado quando a compra é de um bem considerado mais caro. De acordo com uma pesquisa divulgada nesta quinta (03) pelo Ibope sobre hábitos de consumo da mulher brasileira, 68% das mulheres “geralmente planejam bem a compra de produtos caros”, contra um índice de 65% entre os homens.
Veja também:
- Por que as mulheres se endividam tanto? E como sair do vermelho?
- Mulheres são maioria em sites de compra coletiva
A maioria das brasileiras afirmou que foi às compras nos últimos 30 dias (69%). Dentre os produtos mais desejados estão roupas femininas (79%), calçados (61%), roupas para homens (44%) e roupas para crianças e bebês (40%).
O estudo revela ainda que elas estão comprando mais pela internet. Na pesquisa divulgada em 2010, 10% das mulheres afirmaram ter feito compras pela internet contra o percentual atual de 18%.
A tese de que as mulheres adoram uma liquidação pode ter sido confirmada: 82% admitem que sempre procuram ofertas e descontos. O número é menor entre os homens (76%).
As mulheres também fazem mais dívidas: 3 em cada 10 disseram que preferem compras a prazo. Entre os membros do sexo masculino este número desce para 2,6 em cada 10.
Mais suscetível a palpites
É de conhecimento público que as mulheres adoram fazer compras na companhia das suas amigas. A pesquisa do IBOPE indica que elas ligam mais para as opiniões dos outros do que os homens. Metade das consumidoras pede a opinião de outras pessoas antes de comprar algum artigo novo. Entre os homens, o percentual fica em 44%.
A pesquisa também mostra que cada vez mais as mulheres conscientizam-se da importância de saber o que está consumindo. Os homens, apesar de mais da metade (51%) também demonstrar esta preocupação, foram ultrapassados de longe por elas. Entre o sexo feminino este índice pula para 63%.
Higiene pessoal X bebida
Dois itens da pesquisa revelam uma curiosidade na diferença entre os sexos nos hábitos de consumo. Mulheres não se importam em pagar um pouco mais por produtos de higiene pessoal de boa qualidade (80%). Já os homens, nem tanto. Dentre eles, a pesquisa aponta que o número fica em 76%.
A situação se inverte quando o assunto é bebida. Quase metade dos homens (47%) afirmou que pagaria mais por um produto de melhor qualidade. Enquanto apenas 39% das mulheres fariam o mesmo.
O estudo foi realizado nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília e nos interiores de São Paulo e das regiões Sul e Sudeste com pessoas de ambos os sexos das classes AB, C e DE com idades entre 12 e 64 anos. Para este levantamento específico, foram consideradas as respostas de mulheres e homens com 18 anos ou mais, obtidas entre agosto de 2009 e julho de 2010.

written by FTIGESP

Ir para página início  611 612 613 614 615 616 617 618 619 620  última