Jun 20
A comissão de normas da OIT manteve o Brasil na lista de 24 países que mais violam convenções internacionais do trabalho, na manhã desta terça feira, 11 de junho. A inclusão se deu porque a reforma trabalhista aprovada no governo Temer violou a convenção 98, relativa à aplicação dos princípios do direito de organização e de negociação coletiva, ratificada pelo Brasil, que, entre outros pressupostos. LEIA MAIS


FONTE: STIG BARUERI/OSASCO

written by FTIGESP

Jun 19

Risco de inviabilização do Sindicato da classe (STIG) por conta da queda no número de trabalhadores associados pode restringir a ação sindical na negociação salarial e depois na fiscalização do cumprimento dos direitos

A histórica e forte classe de trabalhadores gráficos da Baixada Santista e outrora numerosa vem reduzindo rapidamente na região. Hoje só restam 600. A unidade da categoria também acompanha este cenário de queda. Só 10% estão sindicalizados e enfraquecem a resistência aos desmandos patronais. Há 15 anos, por exemplo, os patrões se vangloriam de não ter tido uma greve e por zerarem o reajuste salarial nos últimos dois anos. O cenário só piorar com o fechamento de empresas e queda de mais sócios. E, em breve inicia nova campanha salarial. A data-base é 1º de setembro.

A fim de buscar reverter tal cenário, o Sindicato realizou uma assembleia e alertou os gráficos para o risco de os poucos empregados da região não se unificarem à entidade para fortalecerem a negociação salarial e depois dela. Dois trabalhadores até se sindicalizarem, mas ainda é muito pouco. Só 10% da classe está associada. "Como lançamos o edital de campanha salarial, seguiremos firme. Mas o STIG dificilmente conseguirá se manter na diária defesa do cumprimento dos salários e direitos nas empresas", destacou Jorge Caetano, secretário-geral do Sindicato da classe do local.

Sem o crescimento no número de sócios, a direção do STIG já anunciou durante a assembleia que após a campanha salarial reduzirá ainda mais o número de dias de atendimento e só para sócios com agendamento. E isso, sem dúvidas, prejudicará a atuação sindical no combate às fraudes nas empresas contra o salário e direitos dos trabalhadores. "A decisão é de cada um dos 600 gráficos da região", disse Sueli Reis, presidente do Sindicato. Cada um dos 26 gráficos presentes na assembleia saiu com uma carta e ficha de associação para conversar com colegas de empresa.

O fato é que sem o sindicato, nenhum dos 600 gráficos terá quem garanta o piso salarial de R$ 1.566,40 e as demais remunerações ainda maiores, bem como a PLR, hora-extra superior a 50%, adicional noturno superior a 20%, vale-refeição, vale compras, multa por atraso de salário, auxílio-creche de R$ 469,92, vários tipos de estabilidade no emprego e etc.. "Não existe outra forma de protegerem seu salário e direitos, senão através da unidade em torno da sua entidade de classe. Sindicalize-se", frisa Jorge.

O dirigente, junto com Sueli, visitou cada um dos gráficos nas empresas antes da assembleia. Falaram do risco da inviabilização do sindicato se não juntarem suas mãos em torno da entidade para se auto protegerem. A decisão final e sempre do trabalhador. No entanto, gostando ou não do sindicato, sem o órgão, o prejuízo é geral a todos: do salário aos direitos. "Está na hora de toda a categoria, não somente os já sócios, acordarem. Todos precisam ter consciência que se tá ruim com o sindicato, ficará pior sem ele. Sindicalizem-se urgente", reforçou a presidente do STIG Santos.

written by FTIGESP

Jun 18

Trabalhador e Trabalhadora, essa é a hora, fortaleça quem sempre o defendeu, Sindicato forte é o trabalhador quem faz", conclui Sandro Ramos, presidente do STIG LEIA MAIS


FONTE: STIG TAUBATÉ

written by FTIGESP

Jun 18

O presidente do Sindicato dos Gráficos de Bauru, Amilton Kauffman, e sua assessoria, junto com parte da equipe do Sincomerciários Bauru.LEIA MAIS


FONTE: STIG BAURU

written by FTIGESP

Jun 18

O STIG Barueri/Osasco, em conjunto com outros sindicatos da região e trabalhadores, participaram de grande ato realizado no centro de Osasco na última sexta-feira (14). Contra a Reforma da Previdência e o desemprego no país, os manifestantes realizaram uma caminhada por todo o calçadão, na Rua Antônio Agú, chamando a atenção da população para os ataques do governo contra os brasileiros! LEIA MAIS


FONTE: STIG BARUERI/OSASCO

written by FTIGESP

Ir para página  1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  última