Jul 12

Sindicato vai ao ministério do Trabalho contra empresas JC/FAMAS , emoresa estava pagando horas extras no percentual de 35% enquanto nossa convenção coletiva de trabalho determina o mínimo 65%. Aguardem o desfecho. 

FONTE: STIG GUARULHOS 

written by FTIGESP

Jul 11

Entidade também vem atuando contra o atraso salarial e da cesta básica

Se não fosse a forte sindicalização dos trabalhadores das gráficas WR e RZK, em Guarulhos, os problemas desses profissionais seriam maiores diante da sistemática tentativa patronal em desrespeitar os direitos dos profissionais. Há cerca de um ano, o Sindicato da categoria (STIG) tem agido para evitar a descontinuidade da quitação da cesta básica mensal e do pagamento salarial. Tem evitado que acumulem passivos. O STIG faz valer a Convenção Coletiva de Trabalho da classe, devendo a cesta básica ser paga mensalmente, assim como o salário até o dia 5 de cada mês. E diante desta luta sistemática para coibir pendências, o sindicato acaba de entrar na Justiça frente a não quitação do FGTS dos gráficos.

"Falta boa-fé dessas empresas em cumprir os acordos de pagamento de seus débitos. Elas descumprem os acordos firmados conosco desde o último ano. Assim, cobramos sistematicamente os direitos da categoria que tem reconhecido o papel do STIG como guardião de seus direitos. A maioria dos 50 funcionários da WR e RZK são sindicalizados e contam com a nossa total proteção", diz Francis Wirton, presidente do Sindicato.

Wirton e sua diretoria tem realizado com frequência assembleias com os gráficos da WR e RZK toda vez que a cesta básica e o salário atrasam. Por conta disso, não existe nenhum salário ou cesta pendentes. O STIG também tem agido para evitar o passivo em relação ao FGTS da classe. O sindicato tem cobrado nestas empresas o respectivo pagamento. Elas chegaram inclusive a procurar a Caixa Econômica Federal para quitar o débito. O contrato de parcelamento da dívida foi realizado, mas ela não cumpriu. Com isso, os trabalhadores estão há três anos sem seu FGTS.

Desse modo, o STIG Guarulhos ajuizou o caso na Justiça do Trabalho a fim de preservar o direito fundiário de todos os gráficos da WR e RZK. A ação foi necessária porque de acordo com o novo entendimento do STF, guardadas algumas particularidades, os trabalhadores só poderão brigar judicialmente pelo FGTS negado dos últimos cinco anos. "Assim, agimos preventivamente em defesa dos nossos trabalhadores", explica Wirton.

Ele justifica ainda que lamenta ter que acionar a Justiça, mas quando se depara com situações onde a boa fé por parte das empresas parece não mais prevalecer, o STIG sempre vai agir. O Sindicato seguirá atento e a disposição dos gráficos, buscando resolver todos problemas por meio do diálogo. Mas quando essa boa vontade se esgota, buscar-se-á outros meios para garantir os direitos dos trabalhadores. Sindicalizem-se AQUI!

"Está provado que quando os gráficos buscam o seu STIG, associando-se como na empresa WR e RZK, a atuação sindical é mais forte quanto ao acompanhamento do cumprimento dos direitos", realça Leonardo Del Roy, presidente da Federação Paulista da classe (Ftigesp). Ele ratifica que não há outro caminho para o trabalhador defender os seus direitos, senão através da sindicalização, pois, além da tradicional tentativa de sonegação de direitos, os patrões agora contam com a atrasada nova lei do trabalho onde flexibiliza direitos. Assim, só fortalecendo o sindicato, através da sindicalização, será possível continuar reagindo aos ataques.

written by FTIGESP

Jul 10

Há 14 anos o Sindicato organiza os campeonatos com o objetivo de proporcionar espaço para lazer, saúde e interação entre os Trabalhadores. Este ano o diretor Alexandre Assunção está na organização da competição. Com 11 equipes disputando vagas nas quartas de finais, o Campeonato dos Gráficos 2018 segue para a fase dos jogos eliminatórios. A final da competição deve ocorrer no mês de agosto. As partidas são disputadas todas as sextas-feiras, a partir das 19h, na quadra de society interna ao Clube do Parque Cecap. LEIA MAIS 

FONTE: STIG GUARULHOS

written by FTIGESP

Jul 10

Embora o CNPJ da Clique Imagem, empresa de Comunicação Visual em Valinhos, mantenha as atividades econômicas de serviços gráficos, a empresa resolveu negar suas características apenas na área sindical. Arbitrariamente, apoiando-se no fim da obrigatoriedade do imposto sindical posto pela nova lei do trabalho, a gráfica trocou, sem legalidade, o enquadramento sindical. Ela deixou o Sindigráficos e assumiu, no lugar, o Sindicato de Prestação de Serviços. Embora muitos gráficos tenham festejado a facultatividade da ajuda financeira ao Sindigráficos, órgão que só através da classe poderá continuar agindo na proteção de direitos coletivos da classe, como PLR, cesta básica e o piso salarial superior ao salário mínimo, os gráficos da Clique Imagem são vítimas agora deste processo. Pois a troca ilegal do enquadramento sindical, seja orientada ou não pelo escritório contábil, visa baixar os custos da empresa com a retirada dos respectivos direitos coletivos da categoria. LEIA MAIS 

FONTE: STIG JUNDIAÍ

written by FTIGESP

Jul 06

Processo também foi movido diante da sonegação no FGTS, INSS e etc

A fim de coibir várias irregularidades sobre os direitos dos trabalhadores da gráfica BrasilForm, em Cotia, o Sindicato da categoria (STIG Barueri, Osasco e Região) acionou a Justiça do Trabalho. A empresa deixou de recolher o FGTS dos profissionais. E tem descontado no salário deles a contribuição do INSS, mas não tem repassado para Previdência Social. O atraso salarial também é constante. Além disso, existem profissionais de forma clandestina, sem o vínculo empregatício através do registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS).

A ação judicial foi o último recurso da entidade sindical porque a gráfica simplesmente se negou a reunir com sindicalistas para sanar as falhas. Apesar disso, o STIG cobrou comprovante de que o débito com o FGTS e INSS dos trabalhadores estava sendo regularizado, mas a BrasilForm também se recusou. Até o momento, a situação continua desta maneira. "Por esta e outras razões, judicializamos o caso", conta Álvaro Ferreira, que é presidente do Sindicato. O diretor sindical Mineiro está a ciente da situação, sendo conduzida pela competente advogado Raphael Maia.

Ferreira informa que o caso foi parar na Justiça também diante de outro problema que considera grave. A Brasilform vem mantendo empregados de forma clandestina. Tem até gráficos terceirizados sem a assinatura na CTPS. "O STIG Barueri/Osasco jamais se isentará de lutar em favor dos gráficos, de lutar contra a sonegação dos direitos dos trabalhadores e de lutar pela regularização deles", conclui o presidente da entidade. E, em breve, o Sindicato promete trazer novas informações sobre a ação.

"Infelizmente, não é a primeira vez que temos notícia de que BrasilForm tentar negar direitos dos gráficos, e que o STIG atuará novamente para evitar a consolidação deste mal", conta Leonardo Del Roy, presidente da Federação Paulista dos Gráficos, entidade da qual o STIG é filiada. Mas o experiente dirigente alerta os trabalhadores para terríveis mudanças de precarização de direitos postas pela nova lei do trabalho. Para ele, só através do restabelecimento de uma maior unidade e participação dos próprios empregados junto ao Sindicato que golpes podem ser evitados. Desse modo, todos devem se sindicalizar e engrossar a luta que o STIG já até começou em defesa do FGTS, INSS e contra a precarização total.

written by FTIGESP

Ir para página início  5 6 7 8 9 10 11 12 13 14  última