Ago 07

Gráficos da Rosset passaram a trabalhar em sábados alternados desde julho e a cesta básica teve reajuste de 12% após negociação do STIG-SP

Mais 25 gráficos se somaram aos demais trabalhadores já sindicalizados na empresa Rosset, na capital paulista, após a entidade da classe (STIG-SP) garantir mais benefícios para todos os 100 empregados do local. A resposta dos profissionais em favor do sindicato foi instantânea depois da melhoria significativa na qualidade de vida de todos. O órgão conseguiu finalizar a negociação de um Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) com esta empresa que fica na av. Raposo Tavares, no Jardim Maria Luísa. No ACT, ficou definido que ninguém trabalhará mais todos os sábados. Além da folga remunerada todo domingo, contarão ainda com igual descanso nos sábados, a cada 15 dias. O acordo já foi aprovado durante a assembleia.

"A nova jornada entrou em vigor desde 1º de julho. Com isso, os gráficos da Rosset passaram a trabalhar um sábado sim e outro não, melhorando a qualidade de vida deles, bem como garantindo a produção da gráfica e o emprego de todos", diz satisfeito o vice-presidente do STIG, Sebastião Viana. O sindicalista, que foi um dos negociadores do acordo com o novo RH da empresa, conduziu também a assembleia com os gráficos sobre o tema, sendo aprovado e homologado pelos órgãos federais competentes.

Tião, como é mais conhecido na categoria, revela que havia uma grande insatisfação dos empregados com o trabalho todo sábado, sendo sanado agora pelo sindicato e através da sensibilidade do novo RH da Rosset. A ação foi positiva para o trabalhador e para a empresa. Ela intensificou sua produção durante os dias de semana com intervalo da refeição da classe com 30 minutos e não mais uma hora de duração. Em contrapartida, todos os profissionais gozam da folga remunerada em sábado alternado. E no sábado em que trabalharem, largam mais cedo do que o antigo horário.

Além da jornada laboral, o STIG também garantiu a melhoria no direito à alimentação através do benefício convencionado da cesta básica mensal. O sindicato conseguiu convencer a Rosset de que o valor pago pela cesta na ordem de R$ 75 estava muito defasado. A gráfica aplicou um reajuste de 12%. O novo valor agora é de R$ 90. E não haverá nenhum desconto salarial pela garantia do benefício. "E, diante do aumento da alimentação, já sinalizamos para empresa a necessidade de um novo reajuste do valor pago pela cesta. Ficou certo de voltamos a negociar em janeiro", diz Tião.

Para a Federação Paulista dos Gráficos (Ftigesp), é através de iniciativas como estas, onde o sindicato se aproxima do trabalhador na sua empresa em defesa da melhoria de vida dele através da garantia e da melhoria dos direitos e das condições de trabalho, que se fortalece a aliança entre STIG e categoria, fortalecendo ambos, com benefício inclusive para a empresa. "Parabéns o STIG-SP, a Tião, por fazer valer este papel constitucional do sindicato, que é a defesa individual e coletiva da categoria. E parabéns aos gráficos que se sindicalizaram para fortalecerem o STIG a continuar protegendo-os. Parabéns também para a empresa pela sensibilidade nos pleitos dos gráficos", congratula Leonardo Del Roy, presidente da Ftigesp.

written by FTIGESP

Ago 06

De janeiro de 2018 a junho deste ano, trabalho intermitente e parcial resultou em 121.752 contratações – de caráter precário. Já desligamento por acordo somaram 276.284 LEIA MAIS
FONTE: STIG BARUERI/OSASCO

written by FTIGESP

Ago 06

Enquanto Bolsonaro impõe a ditadura ultra neoliberal contra a jornada de trabalho no país, como a medida (MP 881 em análise no Congresso) para que os gráficos e demais profissionais trabalhem nos domingos e feriados como se fossem dias normais, o Sindicato, nos últimos anos, conseguiu criar rotinas laborais em parceria com os gráficos e donos da Inapel onde garantem o emprego, produção e a qualidade de vida do profissional. Na empresa, que fica em Jundiaí, um Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) feito entre eles tem garantido o trabalho de segunda a quinta semanalmente. E também a folga toda sexta-feira, sábado e domingo. Este ACT, que teve duração nos últimos dois anos, vence neste mês e iniciam a renegociação. LEIA MAIS


FONTE: STIG JUNDIAÍ

written by FTIGESP

Ago 06

O Arcebispo de Aparecida, dom Orlando, nas comemorações de seus 25 anos de Ordenação Episcopal, recebeu do diretor do STIG Taubaté, Valdeir Pereira, mais conhecido por Deco, a camisa personalizada do time de gráficos Editora FC. "A alegria estava estampada em seu olhos ao recebê-la. Quero agradecer a cada um dos jogadores desse nosso time, que virou uma família, mais que uma ideia" diz Deco. O sindicalista informa que o dom agradeceu a todos pelo presente recebido. LEIA MAIS


FONTE: STIG TAUBATÉ

written by FTIGESP

Ago 05

Gráfico Adventista deixa de trabalhar no sábado e tem emprego mantido em uma grande empresa em Aparecida após atuação do sindicato local

Na última semana, o Sindicato dos Gráficos (STIG) de Taubaté recebeu a Medalha de Paladino da Liberdade Religiosa no 169° Fórum Paulista de Liberdade Religiosa e Cidadania, realizado no município de Aparecida. A entidade, representada pelo presidente Sandro Ramos, recebeu o prêmio da Associação Brasileira de Liberdade Religiosa e Cidadania (ABLIRC). O reconhecimento resultou da atuação sindical que evitou a demissão de um trabalhador Adventista de uma importante gráfica no Vale do Paraíba.

"Conferimos a premiação a Sandro pelas ações de cidadania e cotidianas em favor da dignidade humana e liberdade religiosa", destaca em carta o conselheiro da ABLIRC, José Alexandre Faria. O caso reconhecido pelo órgão nacional foi a atuação do STIG em defesa do emprego e da fé de um gráfico que havia se tornado fiel da religião Adventista do Sétimo Dia. Os seus seguidores preservam o dia do sábado para louvar a Deus. Não trabalham neste dia. No entanto, a gráfica funciona no sábado e, depois de mudar para esta religião, o gráfico corria o risco de perder o emprego.

O caso ocorreu há dois anos. Sandro e os dirigentes sindicais que atuam na empresa do gráfico Adventista logo partiram em sua defesa. "Embora inicialmente a sua chefia direta o orientou a pedir demissão, pois o serviço ao sábado era indispensável, a direção da gráfica foi sensibilizada pelo sindicato. Um estudo foi rapidamente realizado e foi verificado a possível modificação da jornada do trabalhador, permitindo a folga nos sábados, e sem que a produção da empresa ficasse prejudicada", relembrou Sandro.

Até hoje o gráfico adventista continua trabalhando nesta gráfica Católica. "A direção da empresa foi bastante solícita depois de nossa interpelação, o que evitou o pedido de demissão do trabalhador, conforme foi orientado inicialmente pela chefia direta. Ainda bem que o caso chegou ao nosso conhecimento e pudemos defender o seu emprego e sua profissão de fé", diz Sandro, que é católico e critica qualquer intolerância religiosa. No Vale do Paraíba, por sinal, há gráficos e donos de gráficas de credos distintos.

Para Federação Paulista dos Gráficos (Ftigesp), entidade que o STIG é filiado, a premiação nacional conferida ao STIG Taubaté pelo combate à intolerância religiosa é mais uma demonstração da relevância do sindicato para a vida laboral e pessoal do trabalhador de modo coletivo e individual. "Parabéns ao Sandro e sua direção sindical em prol da classe, bem como a empresa pela sensibilidade frente uma situação delicada", fala Leonardo Del Roy, presidente da Ftigesp, órgão que Sandro é secretário de Comunicação.

written by FTIGESP

Ir para página início  3 4 5 6 7 8 9 10 11 12  última