Jun 11
Após os 40 anos, maioria absoluta dos casos é em pacientes homens
Uma mesma doença apresenta características totalmente diferentes dependendo da idade do paciente.Se o doente tiver mais de 40 anos, a maioria dos portadores de câncer de boca é homem, fumante e também consumidor de bebidas alcoólicas. Agora, se a doença surgir precocemente, mais mulheres estão entre as estatísticas e o consumo de cigarro e álcool não será hábito recorrente.O comportamento do câncer de boca foi estudado em pesquisa pioneira da Faculdade de Odontologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O dentista Alan Roger Santos da Silva, especializado em estomatologia, quis mapear as principais características do tumor bucal em língua e cavidade oral em pessoas mais novas, apesar da incidência ser bem mais rara antes dos 40 anos.

Pesquisa mostra que em pacientes mais novos, câncer de boca acomete mais mulheres do que entre os mais velhos
“Reunimos todos os casos de pacientes nesta faixa etária atendidos nos últimos 20 anos em quatro centros especializados de países diferentes”, afirma o autor do estudo. “A proposta de avaliar casos do Brasil, da Guatemala e da Inglaterra foi justamente para avaliar pessoas com hábitos e culturas diferentes.”“Fizemos a análise laboratorial de 37 pacientes, um número que pode parecer pequeno mas é o maior já estudado pela literatura”, justificativa Silva. Os dados não variaram de país para país, mas as características encontradas nos pacientes mais novos contrastaram com os dados históricos da doença.Nos mais novos, 43% dos pacientes eram mulheres, metade não fumava e 41% não bebiam, conjunto de especificidades muito diferente das mapeadas pela pesquisa nacional de câncer na cavidade oral publicada na Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. Neste trabalho feito com 300 pacientes de todas as idades (idade média foi 57 anos), 81% eram homens, 76,8% tabagistas e 74% consumidores de álcool.
Culpa da genética A resposta para as características tão diferentes do câncer de boca de acordo com a faixa etária ainda não é clara, mas o pesquisador da Unicamp tem um ponto de partida. “As análises que fizemos mostraram que entre os mais novos há muito mais carga genética relacionada ao câncer do que entre os mais velhos”, diz Alan Roger Silva. “Ainda não sabemos se esta instabilidade de genes é resultado de uma herança familiar, desencadeada por um fator ambiental ou ainda comportamental. Isso ainda exige mais estudos. O nosso próximo passo será avaliar se existe relação do câncer de boca com o vírus HPV (transmitido por relação sexual desprotegida principalmente)”, afirmou o dentista.A hipótese de relação do câncer de boca com o vírus HPV – que se não tratado pode evoluir para câncer de colo do útero – já apareceu em outros ensaios científicos que identificaram que portadores de câncer de traqueia e amígdala tinham o vírus do HPV, mas ainda não há consenso de que um interfere no aparecimento do outro.
Apague o cigarro
Ainda que entre os pacientes de câncer de boca mais novos o cigarro tenha aparecido em menor escala, é importante ressaltar que metade dos portadores é fumante. De forma geral, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) coloca o álcool e o tabaco como fatores principais para o desenvolvimento do câncer na boca. Só para este ano, são projetados pelo governo federal 14.160 novos casos pelo governo federal, sendo 10.380 homens e 3.780 mulheres.
Fonte: Portal IG São Paulo

written by administrador

Jun 11
Saiba como cuidar dos fios e aprenda dicas para evitar o aspecto pesado e o frizz
Você está com a impressão de que seus cabelos estão mal lavados? Isso pode ser consequência dos dias mais frios, típicos do outono e inverno.Vários fatores podem causar o excesso de oleosidade, como explica Luciano Barsanti, tricologista e diretor do Instituto do Cabelo: “Pouco tempo de exposição ao sol, alimentação mais calórica e banho quente são os grandes responsáveis pelo aumento da produção de óleo no couro cabeludo”, diz.O hairstylist Guto Leça ensina como se livrar da aparência “pesada” dos fios. “É interessante usar um xampu para raízes oleosas e pontas secas. Ele não tira óleo do restante dos fios e a raiz fica mais limpa”.Alem da oleosidade exagerada, a água quente e o uso contínuo do secador desidratam as madeixas e, em decorrência disso, as pontas ficam ressecadas e aparentemente descuidadas. A umidade presente no ar, que é maior nessa época, provoca o efeito frizz - os fios ficam elétricos e arrepiados.

Separamos algumas dicas para você passar pelo outono/inverno com os cabelos mais bonitos e sem brigar com o espelho: - Se você faz escova, vale secar bem o cabelo antes de modelar, isso garante fios mais leves e soltinhos;- Prefira xampu sem sal para raízes oleosas e pontas secas. Fique de olho no rótulo e prefira os de PH baixo;

Dicas e truques para cuidar dos fios
Mais sobre cabelos: · Escolha a escova certa para o seu cabelo ·
Faça com bobes: Liso com Volume ·
Cabelos e produtos de Sex and the City 2 · Hidratação, reconstrução ou cauterização?
- Encare o frio e lave os cabelos normalmente, nada de passar mais de dois dias sem lavá-los;
- Procure ficar menos tempo com a cabeça embaixo da água e, para enxaguar, prefira água morna;
- Use reparador para hidratar as pontas com proteção solar;
- Hidrate uma vez por semana. Pode ser embaixo do chuveiro mesmo, com máscaras apropriadas. Atenção: enxágue muito bem, não deixe nenhum resíduo no cabelo;
- Nunca use condicionador na raiz. Se você tem cabelo oleoso, prefira leave-in;
- Não exagere na quantidade de cremes. Além de não domar os fios, seu cabelo ficará oleoso; - Opte por xampu de limpeza profunda a cada 10 dias;
- Use o secador em temperatura média ou fria, com 30 cm de distância dos fios. Finalize com vento frio, que fecha as cutículas;
- Os tratamentos reconstrutores tais como hidratação, escova nutritiva ou cauterização são ótimos para domar os fios mais rebeldes.
Fonte: Portal IG

written by administrador

Jun 11
Estudo, divulgado nesta quinta-feira, dia 10, mapeou a dor em São Paulo e encontrou dados alarmantes. Três em cada 10 paulistanos convivem com o problema (28% no total) e a metade recorre à automedicação para sanar o problema, que ataca mais as regiões das pernas (22% das queixas), as costas (21%) e a cabeça (15%).Entre os homens, 20% afirmaram sentir dor. No caso das mulheres, a situação é ainda pior: 34% delas têm dores crônicas, que podem comprometer o trabalho e as relações pessoais. O índice é maior entre as donas de casa: 33,3%. Elas só perdem para os aposentados (36%) e autônomos (35,7%). A explicação para a liderança feminina na apresentação de dor é que nelas são encontrados maiores índices de obesidade – que alavancam o problema – e também porque sofrem mais de fibromialgia, doença de diagnóstico confuso, caracterizada pela dor em várias regiões do corpo.
O estudo também diagnosticou que quanto maior a escolaridade, menor a taxa de dor. Entre analfabetos, 33,7% apresentaram o problema contra 23,5% entre os com superior completo. De acordo com os pesquisadores, o conhecimento faz com que os pacientes busquem ajuda especializada, reduzindo o índice.
Só entraram na conta os que sofrem de dor crônica, ou seja, que experimentam sensações como desconforto, choques e pontadas por mais de três meses seguidos. O mapeamento da dor foi feito por meio de questionários aplicados em 2.446 paulistanos, com mais de 18 anos. A média de dor encontrada na cidade é semelhante à diagnosticada no mundo pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que aponta como taxa global do problema em 30%.
Fonte: Portal IG São Paulo

written by administrador

Jun 08
O mercado de jornais gratuitos de São Paulo não para de crescer. Além do MTV na Rua, que será lançado em junho com circulação diária, o carioca Metro Magazine prepara-se para inaugurar sua edição paulistana em julho. A empresa comandada por Alberto Carlos de Araújo contratou o diretor comercial Luiz Gonzaga (ex-CBN), que está montando a equipe de vendas publicitárias em São Paulo. A versão paulistana terá as mesmas características da carioca, lançada há três anos: circulação diária e gratuita de segunda a sexta-feira. A coincidência com o título hoje editado pelo Grupo Bandeirantes não se resume ao nome Metro. Ambos são caracterizados pela cor verde.
fonte: Meio & Mensagem

written by administrador

Jun 08
Estão abertas as inscrições para funcionários da indústria gráfica nos programas de desenvolvimento profissional gratuitos oferecidos pelo convênio entre o Sindigraf-SP e a Escola SENAI de Artes Gráficas “Theobaldo De Nigris”. A oportunidade é exclusiva para profissionais das gráficas filiadas ao Sindigraf-SP em dia com a contribuição. Os cursos disponíveis são: CorelDraw para pré-impressão; Produção Gráfica; e Tecnologia de Impressão Offset. As aulas serão ministradas na Escola SENAI (rua Bresser 2315 - Mooca - São Paulo). As inscrições podem ser realizadas até 21 de julho. Informações pelo site www.senai.br. Fonte: Abigraf

written by administrador

Ir para página início  523 524 525 526 527 528 529 530 531 532