Nov 21

Direito garantido em 22 municípios onde há unidades de Poupa Tempo

No início do mês, após algumas negociações preliminares, o Sindicato dos Gráficos (STIG) em Araçatuba conseguiu concretizar novo Acordo Coletivo de Trabalho para garantir uma espécie de 14º salário (PLR) para todos os gráficos nas unidades do Poupa Tempo na região. Na reunião do último dia 8, com a comissão de trabalhadores e representantes da Valid, empresa terceirizada da mão de obra nos Poupa Tempo, ficou então definido que os empregados receberão a PLR em março de 2019.

Pelo novo Acordo Coletivo de Trabalho, o valor da PLR variará a depender das metas atingidas pelos funcionários. Contudo, o menor valor não pode ser inferior ao definido por outra regra geral dos gráficos de todo o estado, delineados pela Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), aprovada entre a Federação Paulista da classe (Ftigesp), STIGs e o sindicato patronal.

O bônus financeiro (PLR) é obrigatório nos Poupa Tempo de 22 cidades da região de Araçatuba, como foi definida na reunião entre as partes. São elas: Araçatuba, Birigui, Penápolis, Coroados, Glicério, Buritama, Bilac, Guararapes, Bento de Abreu, Valparaíso, Lavínia, Itapura, Mirandópolis, Guaraçai, Murutinga do Sul, Andradina, Castilho, Pereira Barreto, Ilha Solteira, Rinópolis, Adamantina, Dracena, Oswaldo Cruz e Pacaembu.

O resultado dessa positiva garantia de um importante benefício financeiro para os gráficos das unidades dos Poupa Tempo deriva da atuação direta do STIG e da Ftigiesp. Na região de Araçatuba, a negociação foi realizada pelo presidente do STIG local, José Lima, e pelo tesoureiro Wagner Lima.

written by FTIGESP

Nov 20

O dia 20 de novembro faz menção à consciência negra, a fim de ressaltar as dificuldades que os negros passam há séculos. Com a Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel em 13 de maio de 1888, foi que os escravos conquistaram definitivamente sua liberdade. O grande problema dessa libertação foi que os escravos não sabiam realizar outro tipo de trabalho, continuando nas casas de seus patrões, mesmo estando libertos. Com isso, a tão esperada liberdade não chegou por completo. O dia da consciência negra surgiu para lembrar o quanto os negros sofreram, desde a colonização do Brasil, suas lutas, suas conquistas. Mas também serve para homenagear àqueles que lutaram pelos direitos da raça e seus principais feitos. LEIA MAIS


FONTE: STIG BARUERI/OSASCO

written by FTIGESP

Nov 20

No fim do mês ou logo no início do próximo, após uma negociação já bem-sucedida entre o Sindicato da categoria (Sindigráficos) e a gráfica Inapel em Jundiaí, os 100 trabalhadores terão a chance de garantir por 22 meses seus salários e vários direitos superiores ao restante da classe na região. O Sindicato aguarda apenas a volta das férias coletivas dos funcionários da empresa para agendar uma assembleia no local e depois uma votação secreta sobre um novo Acordo Coletivo de Trabalho com validade prevista para até agosto de 2020. Nele, apesar do piso salarial já ser superior aos demais gráficos na região devido ao acumulado dos acordos anteriores, foi garantida para todos a recomposição salarial diante da inflação anual, bem como todos os direitos convencionados na região e alguns adicionais LEIA MAIS


FONTE: STIG JUNDIAÍ 

written by FTIGESP

Nov 20

Prestes há completar três anos que foram demitidos, os trabalhadores até o momento não receberam seus direitos trabalhistas. Mesmo fazendo acordo de parcelamento do montante da dívida na Justiça do Trabalho em São Vicente, o proprietário sequer pagou ao menos uma parcela. Prejudicando os trabalhadores que trabalharam por vários anos na empresa, alguns ainda desempregados e passando por dificuldades. O proprietário que é Presidente do Sindicato Patronal, diz que só vai poder quitar as dividas o dia que vender o prédio onde funcionava a Gráfica. LEIA MAIS 


FONTE: STIG SANTOS

written by FTIGESP

Nov 19

Ftigesp e sindicatos recompõem salários e mantêm direitos da categoria

A partir deste mês, haverá aumento de 4% no salário dos trabalhadores nas indústrias gráficas da maioria do estado de São Paulo. A exceção fica nas regiões do ABC paulista, Baixada Santista e na cidade de Campinas, que negociam diretamente com o sindicato patronal dessas localidades. Portanto, o reajuste de 4% é direcionado para a grande maioria da classe paulista que recebe até R$ 9.531,20. Dessa forma, o piso normativo subiu para R$ 1.630,20 e o valor da hora de trabalho dos gráficos é de R$ 7,41. Portanto, a partir da negociação coletiva liderada pela Federação Paulista dos Gráficos (Ftigesp), todas as gráficas das regiões abrangidas na nova Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) devem garantir tais valores agora na folha de pagamento de novembro, a serem pagos no próximo dia 5.

Quem recebe acima de R$ 9.531,20, será contemplado com o acréscimo de um valor fixo de R$ 381,25. Os profissionais aprendizes, independente de serem do Senai ou de outras escolas técnicas na área gráfica, também estão contemplados na CCT. O salário será atrelado proporcionalmente ao piso normativo. O aprendiz com até um ano na empresa deve receber 50% do referido piso. A partir de um ano, a remuneração sobe para 75%.

Além da recuperação das perdas salarias diante da inflação anual para a classe, a Ftigesp, em conjunto com os sindicatos das regiões envolvidas, garantiu a renovação completa dos direitos sociais e econômicos da CCT. Dentre os financeiros, destacam-se o valor da hora-extra superior ao das leis gerais do trabalho (CLT). Enquanto a CLT define o percentual de 50%, a convenção dos gráficos garante 65% se o serviço adicional for realizado de segunda à sábado, e 100% se feito no descanso semanal remunerado e feriado. O adicional noturno (35%) do gráfico também supera a CLT (20%). A cesta básica mensal com a lista de produtos alimentícios predeterminados pela convenção também continua obrigatória nas gráficas, bem como a opção da gráfica optar por um vale-compra no valor equivalente para comprar os itens alimentícios nos mercados comerciais.

O bônus financeiro anual além do 13º salário também continua presente. A Participação nos Lucros e Resultados (PLR) está garantida em qualquer gráfica, independente do tamanho ou do tamanho do lucro ou não. Todos gráficos têm direito a receber PLR. O valor varia de acordo com o número de funcionários na empresa no ano anterior ao pagamento do benefício. Sempre pago em duas parcelas iguais, o valor total da PLR varia de R$ 605,72 a R$ 890,80, tendo faixas médias de R$ 659,20 e de R$ 766,06.

Aos trabalhadores nas empresas de reprodução reprografia, o salário teve aumento também. A menor remuneração, chamada de piso diferenciado, subiu para R$ 1.342. Com isso, estão beneficiados, por exemplo, gráficos que atuam em copiadores e afins. A nova CCT valerá até agosto de 2020. Leonardo Del Roy, presidente da Ftigesp, destaca ainda todas questões sociais e socioeconômicas garantidas na convenção até 31 de agosto de 2020, sendo possível ainda melhorar as cláusulas econômicas já em agosto do próximo anos.

written by FTIGESP

Ir para página 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  última