Jun 23

O Sindicato dos Gráficos (STIG) do localidade adianta que a iniciativa se repetirá na residência de outros dois deputados federais da região: João Carlos Papa (PSDB), de Santos, e Marcelo Squassoni (PRB) - Guarujá.

Sacos de lixos ornamentais e placas com dizeres "não jogue seu voto no lixo" e "jogue lixo no lixo", fazendo alusão ao deputado federal da região da Baixada Santista, Beto Mansur (PRP), foram deixados na frente do edifício onde mora este político que aprovou a reforma trabalhista e que defende a reforma previdenciária. A medida, que foi realizada há poucos dias na área nobre de Santos, integra uma série de ações do movimento sindical para chamar a atenção da sociedade para os desmontes dos direitos defendidos por estes tipos de políticos eleitos pelo voto popular.

"É preciso chamar atenção da opinião pública para o que está ocorrendo no País. Os deputados eleitos pelo povo estão defendendo a retirada de direitos trabalhistas e a aposentadoria da população que os elegeram", criticou Jorge Caetano, presidente do STIG, durante o protesto do lixo no edifício de Mansur. Outros sindicalistas também falaram no carro de som no local. A estratégia, que foi pacífica do início ou fim, teve muita notoriedade. Ao final, os sindicalistas recolheram o lixo, deixando tudo limpo - mesma limpeza que deve ser feita na eleição do próximo ano, ou seja, não votando em "deputado lixo" ou apoiado por qualquer um deles.

As articulações dos gráficos da Baixada Santista e demais profissionais da região para realizarem o depósito de lixo na frente das propriedades dos deputados Papa e Squassoni estão bem avançadas. O movimento sindical acredita que serão realizadas antes da nova greve geral no dia 30 - é fundamental que toda a classe trabalhadora cruzem os braços, pois esta pode ser a última barreira para barrar a aprovação da reforma trabalhista no plenário do Senado (o projeto já foi aprovado na Câmara).

O lixo é a terceira medida do movimento sindical da Baixada realizada contra a aprovação das reformas trabalhista e previdenciária do Temer. Inicialmente, foram afixados cartazes com o rosto dos respectivos três políticos em lugares públicos de toda região. Na sequência, foi realizado o enterro simbólico deles e dos quase 300 deputados federais do Brasil que aprovaram a reforma trabalhista no plenário da Câmara Federal. "As iniciativas do movimento, inclusive a forte greve geral do último dia 28 de abril, mostra a combatividade dos sindicalistas em prol da garantia dos direitos da classe trabalhadora santista, paulista e brasileira", fala Leandro Rodrigues, secretário-geral da Federação Paulista dos Gráficos e secretário de Comunicação da Confederação Nacional da categoria.

written by FTIGESP

Jun 22

A proposta de Reforma Trabalhista, apresentada pelo ilegítimo governo de Michel Temer, tem causado insegurança nos trabalhadores. Não é para menos, pois, se realmente aprovada, trará para a realidade do brasileiro a redução dos direitos históricos, dificultará o acesso do trabalhador à justiça, diminuirá a qualidade do emprego, além de permitir o descumprimento da legislação pelo empregador, trazendo enorme insegurança jurídica. De acordo com pesquisa da Vox Populi, realizada no início deste mês, 75% da população rejeita tanto a Reforma Trabalhista quanto a Previdenciária. Cerca de 90% dos brasileiros afirmaram não ter coragem para fazer um crediário ou financiamento para comprar casa, carro ou eletrodoméstico se o contrato de trabalho passar a ser temporário. 68% acreditam que a Reforma favorece os patrões e não os trabalhadores e 73% afirmam que, em época de desemprego e crise econômica, será inviável negociar jornada de trabalho sem a ajuda dos sindicatos. Por isso, contra as Reformas, o Sindigráficos vem participando ativamente das mobilizações que acontecem em Barueri, Osasco e São Paulo. Além de se unir ao Comitê Permanente Contra as Reformas, o Sindicato participou, em 15/3, de grande passeata em Osasco e região e também do Dia da Greve Geral, em 28/4, quando foi realizada manifestação em Barueri, na rodovia Castelo Branco e na rodovia Régis Bittencourt, em Taboão da Serra. Agora, as centrais sindicais nos convocam para mais um dia de greve geral em 30 de junho! Contra as Reformas, pela saída de Temer da Presidência e por eleições diretas, vamos parar o Brasil de novo e quantas vezes mais forem necessárias. É essencial a adesão dos trabalhadores em mais uma mobilização legítima! Vamos lutar pela manutenção de nossos direitos e pela democracia no Brasil! Além disso, vamos nos manifestar também enviando e-mail aos senadores pedindo a suspensão da tramitação da Reforma para que nossos direitos sejam preservados! A relação de senadores e e-mails estão no site do Sindigráficos (http://zip.net/bqtLGc).

POR Álvaro Ferreira da Costa, presidente do Sindicato dos Gráficos de Barueri, Osasco e Região (Sindigráficos)
FONTE: STIG BARUERI

written by FTIGESP

Jun 22

Por 10 votos a nove, senadores da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) enterraram nesta terça-feira (20) a reforma trabalhista do Temer, mesmo com o governo contando com a maioria no Congresso Nacional, apesar do presidente do país ser um corrupto como apontou a Polícia Federal e que dirá se ele praticou organização criminosa e se obstruiu a Justiça. O fato é que, com tais crimes surgindo, senadores, antes aliados, optaram por votar contra a reforma que destrói a CLT. Esta vitória do movimento sindical e da classe trabalhadora no CAS foi bem significativa e enche a todos de ânimo pois se inicia a queda deste governo ilegítimo e golpista. O problema, porém, é que ainda não é o fim da reforma trabalhista, pois, outros senadores, ainda fiéis a Temer e contra o direito do trabalhador, ressuscitaram o texto que perdeu ontem no CAS e reapresentarão hoje em outra comissão do Senado (CCJ). E querem pô-lo para votação já na quarta-feira (28). Anunciam também que acelerarão a votação do texto como prioritário na etapa final de sua apreciação no plenário do Senado. Se isso ocorrer, Temer poderá transformar a reforma em lei. Com isso, os patrões poderão, com respaldo legal, reduzir salários e tirar direitos, bem como afastar o sindicato da classe e a Justiça ainda ficará limitada. Portanto, a vitória de ontem mostra que foi uma batalha importante, mas a guerra contra o desmonte da CLT continua no CCJ e no Plenário na próxima semana. Desse modo, apesar das provas de que esse governo é corrupto e pode ser muito mais criminoso; e que a reforma trabalhista não gera emprego, mas transformará os existentes em subtrabalhos, é a hora do movimento sindical e da classe trabalhadora encarar a próxima semana como a grande batalha que definirá a guerra sobre tal reforma. Chegou a hora da classe trabalhadora e do movimento sindical ir para cima dos políticos que defendem a retirada de nossos direitos. Apesar da vitória no CAS ontem, o jogo não foi ganho. "Portanto, os gráficos e demais classes profissionais precisam ampliar a pressão para ganhá-lo. E esse jogo, essa guerra contra a reforma se ganhará com a nova greve geral na sexta", convoca Leandro, Rodrigues, presidente do Sindicato dos Gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região (Sindigráficos). Foi por isso que desde ontem o movimento social e sindicalistas iniciaram o "esquenta" para a realização da nova greve geral no país no dia 30/06. LEIA MAIS 

FONTE: STIG JUNDIAÍ

written by FTIGESP

Jun 22

É bom estar sempre lembrando porque o povo esquece rápido e pode votar de novo nesses traidores
FONTE: STIG SANTOS 

written by FTIGESP

Jun 22

Nossos associados podem frequentar o Clube de Campo do Sindicato dos Químicos de Sorocaba, localizado na Rua Estrada do Ferraz, 112, em Iporanga, Sorocaba. Os interessados devem ligar para (15) 3228-1123.

FONTE: STIG SOROCABA

written by FTIGESP

Ir para página 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  última