Mar 24

Perderão ainda o direito ao abono de faltas para levar o filho ao médico

Estes são alguns de vários direitos especiais na Convenção Coletiva de Trabalho da categoria (CCT) que 32 mil trabalhadoras gráficas paulistas deixarão progressivamente de ter direito se avançar a reforma do Temer sobre os direitos trabalhistas. Estão ainda com os dias contados o direito ao abono de dias do trabalho para levar seu filho até 12 anos ao médico.A CCT permite até oito idas ao ano para acompanhá-los nas consultas e 10 faltas abonadas em caso de internação dele. A estabilidade maior da mulher gráfica gestante, contido na CCT, sumirá como outros direitos. A mulher trabalhadora acha isso moderno como defendem os deputados ao se declararem favoráveis à aprovação desta reforma trabalhista, que, além de permitir excluir direitos da CCT, ainda cria novas contratos de emprego sem a proteção da convenção para prejudicar tais conquistas? Fazem isso para reduzir o custo do patrão com sua folha de pagamento. É contra tudo isso, que milhares de mulheres se somaram nos protestos na capital paulista, Baixada Santista, Jundiaí e outras regiões do Estado onde houve manifestações contra tal reforma na última semana.

Hoje todas mulheres gráficas paulistas têm direito da CCT onde garante R$ 512,60 mensal de auxílio-creche para filho de até 3 anos. Todas têm ainda uma estabilidade maior no emprego após o período de gestação. Podem acompanhar seus filhos ao médico sem desconto salarial, além de outros direitos que buscam reduzir a falta de oportunidade da mulher dentro da indústria do setor e etc.. "O problema que tudo pode acabar se passar a reforma trabalhista do Temer", alertam as sindicalistas gráficas de várias regiões do Estado, a exemplo de Elisângela Oliveira (capital), Sueli Reis (Baixada Santista) e de Valéria Simionatto (Jundiaí e Região).

Simionato, por exemplo, que participou ativamente nas manifestações na última quarta contra a reforma trabalhista e previdenciária na Avenida Paulista, que reuniu mais de 200 mil pessoais, destaca que as mulheres gráficas de todas as empresas precisam se empoderar e entrar na luta, ou amargarão depois o fim desses avançados direitos contidos na CCT. O presidente da Federação paulista dos gráficos (Ftigesp), Leonardo Del Roy, concorda com Simionato e as demais sindicalistas. Ele realça esta necessidade de empoderamento e participação feminina: é fundamental para pressionarem a posição de deputados federais paulistas (lista aqui) sobre à decisão deles quanto às reformas e consequente fim de direitos.

Mas, muitos deputados, sobretudo os ligados aos setores patronais, têm defendido abertamente esta reforma. Só a pressão popular pode mudar. Envie e-mails para eles (lista aqui) dizendo que ou vota contra ou depois terão o voto contrário para a reeleição deles na eleição do próximo ano. "Mulheres gráficas não deixem que as conquistas de direitos para vocês sejam perdidas com aprovação da reforma trabalhista. Empoderem-se, informem-se, mandem e-mails aos deputados e participem desta luta", convoca Leandro Rodrigues, secretário-geral da Ftigesp. Ele inclusive saúda todas trabalhadoras pelo mês atual que se celebra o Dia Mundial da Mulher e faz um alerta: esta data só existe porque no passado várias mulheres lutaram para conquistar direitos trabalhistas e sociais, assim, agora é a hora de lutarem pela garantia de todos direitos conquistados.

written by FTIGESP

Mar 23
Nesta quarta-feira (22), o Sindicato dos Trabalhadores Gráficos de Barueri, Osasco e Região  participou de reunião com sindicalistas de Osasco e região na sede do SECOR (Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região). Na ocasião, os participantes fizeram um balanço das ações realizadas no Dia Nacional de Paralisação, em 15/3, e acertaram os próximos passos para frear a aprovação da Reforma da Previdência!

FONTE: STIG BARUERI/OSASCO/

written by FTIGESP

Mar 23

written by FTIGESP

Mar 23
Neste domingo (26), a partir das 8h, mais de 100 trabalhadoras gráficas são esperadas na tradicional festa realizada pelo Sindicato da categoria (Sindigráficos) em homenagem a todas elas em comemoração ao mês que se celebra o Dia Internacional da Mulher. Contudo, com os ataques aos direitos de todas mulheres brasileiras através do governo Temer por meio de suas propostas de leis para limitar a aposentadoria e a reduzir e excluir direitos trabalhistas, o evento será também para a reflexão crítica e a conscientização das participantes sobre os riscos dessas propostas se os deputados federais aprovarem tais reformas. A votação ocorrerá em abril. Envie e-mail aos políticos de SP (lista aqui) contra as reformas. Diga aos políticos que ou votam contra a reforma, ou votarão contra eles quanto tentarão a reeleição em 2018. A pressão deve iniciar pelo único deputado federal de toda a região de Jundiaí, Miguel Haddad (PSDB). Já na programação festiva de domingo, o tradicional bingo com vários prêmios ao som da dupla sertaneja Rian e Axel e mais comidas/bebidas animará a todas no evento, que podem levar seus filhos porque haverá atividades especiais para a criançada. Na parte política da festividade, além de criticas às reformas trabalhista e terceirização total do trabalho, a reforma da Previdência será objeto central da palestra de Fé Juncal, presidenta da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Jundiaí e Região, entidade inclusive onde será realizada o evento deste domingo. O evento é exclusivo para as trabalhadoras associadas ao Sindigráficos. LEIA MAIS 

FONTE: STIG JUNDIAÍ 

written by FTIGESP

Mar 23
FONTE: STIG ABC

written by FTIGESP

Ir para página 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  última